Noites na Cidade: Divagações de uma jornalista brasileira em Londres.

Divagações e devaneios de uma carioca em Avalon

Tue
24
Nov '09

Criando raízes


Mood: Atarantada
Music: Repeaterbeater, Mew

Daqui a uma semana vou me mudar. Diferente de todas as outras mudanças que já fiz, no entanto, dessa vez vou para a primeira casa que será verdadeiramente minha, comprada em meu nome e tudo o mais. Estou animada, ansiosa, nervosa e preocupada – quem já se mudou uma vezinha que seja sabe o estresse que é – mas mal posso esperar pelo dia 1º de dezembro, quando ocuparei meu novo lar em Londres.

Nem vou curtir muito a casa nova, no entanto, porque vou para o Brasil dia 22 pra passar o fim de ano com a família. Por mais feliz que eu esteja por ir para o Rio, um pedacinho de mim preferiria que a viagem fosse um pouco mais pra frente, um mês adiante talvez, pra que eu pudesse me acostumar à casinha antes de zarpar para o além-mar.

Vou postar fotos da Toca da Lontra (não perguntem!) quando a situação for menos “zona de guerra” (inevitável logo após a mudança) e mais “deusa doméstica” (o ruivo é bem domesticado!). :-)

Thu
18
Jun '09

Liberou geral!


Mood: Reflexiva
Music: BLind Mary, Gnarls Barkley

A polêmica do momento no Brasil é a decisão do STF que acabou com a obrigatoriedade do diploma para jornalistas. Embora eu não trabalhe como jornalista no Brasil há vários anos, sou totalmente a favor da resolução do Supremo, que com sorte vai acabar com a farra das universidades privadas de esquina oferecendo uma educação patética e jorrando milhares de proto-jornalistas despreparados no mercado ano após ano.

Aqui na Inglaterra, jornalistas são pessoas formadas em economia, política, história – ou, no caso do jornalismo científico, física, química ou medicina – que normalmente fazem uma pós-graduação de nove meses a um ano para aprender técnicas jornalísticas, legislação de imprensa e estagiar em uma publicação local ou nacional. Eles geralmente têm conhecimento específico e se especializam em sua área de atuação. Num país de 60 milhões de habitantes onde cerca de 10 milhões de jornais são vendidos todo dia (de acordo com dados do Audit Bureau of Circulation relativos a maio de 2009), além daqueles distribuídos gratuitamente, alguma coisa eles devem estar fazendo direito!

Embora eu apóie totalmente quem quer ter uma boa formação acadêmica, não acho que jornalista precise de diploma pra fazer seu trabalho direito. Conheço vários jornalistas que escrevem mal, e diversas pessoas em outras profissões que escrevem extremamente bem – preferiria ler textos produzidos pelo segundo grupo na mídia brasileira…

Tue
2
Jun '09

Tragédia nos céus


Mood: Abalada
Music: Brief Candles, The Zombies

Ainda estou em choque depois de acompanhar as primeiras notícias sobre o desaparecimento do vôo AF 447 da Airfrance, que viajava do Rio para Paris, sobre o Oceano Atlântico. É uma rota comum para brasileiros que moram na Europa como eu, e a primeira coisa que passou pela minha cabeça foi: “Será que alguém que eu conheço estava naquele avião?”

Pelo menos um amigo meu estava retornando do Brasil no domingo à noite, então comecei a buscar notícias. Felizmente, o amigo em questão voou de São Paulo e chegou a Londres são e salvo, e outro viajou ontem à noite. A tensão de não saber o que está acontecendo certamente é a pior parte de uma tragédia como essa, e sinto muitíssimo pelos familiares das pessoas que estavam no fatídico vôo. Minha mãe tinha uma irmã adotiva que trabalhava como aeromoça da falecida Pan Am nos anos 60. Nunca conheci minha tia, no entanto, porque ela foi uma das vítimas de um acidente aéreo no qual o avião onde ela trabalhava foi parar no fundo do oceano e jamais foi encontrado…

Viajo bastante entre trabalho e férias e adoro voar. Ainda que acidentes como este sejam preocupantes, não pretendo começar a me estressar demais, especialmente porque se eu fizer isso minha vida será muito mais complicada. Viajo para a Itália esta sexta, por exemplo!

Thu
28
Aug '08

Trintona


Mood: Atarefada
Music: Let The River Run, Carly Simon

Comemorei a chegada dos 30 com estilo: a festa foi um sucesso e me acabei em todos os sentidos, terminando, como eu havia prometido aos meus convidados, arrasada de tanto me divertir (dançando + bebendo + revendo amigos). As fotos já estão disponíveis em alguns cantos da Grande Rede e em breve serão publicadas no meu Flickr.

Agora estou curtindo a nova idade com estresses de trabalho e uma agenda pra lá de agitada nos próximos dois meses. Pra vocês terem uma idéia, tenho viagens marcadas pro Panamá, França e Dinamarca e quatro edições da revista – uma delas de mais de 200 páginas – pra fechar entre agora e o início de novembro. Se isso não for o suficiente pra me exaurir, ainda vou pra Manchester e provavelmente Hamburgo, também a trabalho, entre as viagens que já estão marcadas. Cansei só de listar tudo, ufa!

A boa notícia é que ganhei um aumentinho (o -inho é porque não é lá grande coisa, mas é mais do que a média aqui ganhou) e que existe uma possibilidade de promoção no futuro próximo. E ainda me divirto fazendo o que faço, apesar dos estresses. Seria duro agüentar o tranco se eu não gostasse do meu trabalho… :)

Mon
28
Jul '08

Casa nova, vida nova


Mood: Dolorida
Music: Home, Depeche Mode

Ontem completei minha mudança de casa, saindo do lugar onde morei durante mais de três anos pra dividir um apartamento com o ruivo. É um grande passo, mas a única coisa que me estressa no momento é viver rodeada de caixas por todos os lados – morar com o namorado é uma experiência nova, mas nesse sentido estou superanimada, e não preocupada! :-)

Sinto-me como se estivesse brincando de casinha: comprando coisas pro apartamento, desde os básicos como pratos e talheres até móveis pra organizar as minhas tralhas (e as do ruivo, claro!). Adoro essa parte, e se o processo de mudança em si não fosse tão pentelho, eu o faria com mais freqüência.

Mudança também signfica jogar um montão de coisa fora. No meu caso, foram três sacolas de roupas para a charity shop, cinco sacolas de lixo, várias coisas dadas pra outras pessoas (o Engel se deu bem, ganhando uma impressora e um aparelho de som!) e ainda tem mais coisa pra eu dar sumiço. Por outro lado, estamos enchendo a casa de coisas novas, nossas, que contarão uma história diferente. Agora é começar a esvaziar as caixas e transformar o apartamento no nosso lar!

Fri
18
Jan '08

Justiça ou obsessão?


Mood: Cansada
Music: After The Rain Has Fallen, Sting

Que os ingleses adoravam a Princesa Diana (mais conhecida como Lady Di, especialmente depois de se divorciar do Príncipe Charles), todo mundo sabe. O que eu não sabia antes de me mudar pra cá é que na verdade essa adoração está mais para obsessão. Apesar do trágico acidente que culminou com sua morte ter ocorrido há mais de dez anos, Diana ainda é notícia praticamente todos os dias na mídia britânica. Agora, então, com o inquérito a respeito do acidente acontecendo na Corte Suprema daqui, Lady Di está em todas: uma hora é seu ex-mordomo, um aproveitador de marca maior, contando lorotas bombásticas a respeito de sua vida; depois, é alguém dizendo que a polícia fez parte de uma conspiração encabeçada pela Rainha pra matar a pobre princesa.

Eu até entendo porque Mohammed Al Fayed, dono da Harrods e pai do então namorado da princesa, Dodi, se interessa tanto pelo assunto; é um pai que não vai descansar enquanto não souber exatamente o que causou a morte de seu herdeiro, e que tem dinheiro suficiente pra manter o caso em voga o tempo que for necessário. O que me causa espanto é perceber que todo mundo ainda tem interesse no assunto, e que a Lady Di vende mais jornais e revistas morta do que viva. Pessoalmente, acho essa fixação com a vida e morte da princesa um tanto quanto macabra – pelo menos ela tinha mais virtudes do que outros ídolos da população britânica, que geralmente se limitam a jogadores de futebol ou artistas pop…

Mon
14
Jan '08

366


Mood: Feliz
Music: Take This Longing, Leonard Cohen

E 2007 se foi, como sempre mais célere do que seus predecessores. O ano que terminou não foi lá muito bom para este blog, que sofreu com censuras e abandono. Mas foi um ano deveras produtivo e positivo para esta que vos escreve, como as parcas atualizações dos últimos meses revelaram.

Meu sumiço de fim de ano teve como culpada a minha mãe, que passou pouco mais de três semanas em Londres comigo. Adorei a visita, mas os diversos momentos de estresse provaram que os últimos quatro anos, desde que saí do conforto do lar rumo ao inverno britânico, mudaram bastante a nossa dinâmica. Quem nunca brigou com pai, mãe ou outros familiares que atire a primeira pedra!

Passei o Natal em casa com poucas pessoas queridas e foi uma delícia. O reveillon foi a bordo de um barco, em pleno Tâmisa e com uma vista privilegiada dos fogos – mas resolvemos ignorar o show luminoso e curtir a virada sem muvuca, com mais pessoas queridas. São esses momentos singelos que me fazem apreciar o privilégio que é estar cercada das pessoas certas no momento certo, e de como minha família faz falta.

O ano bissexto – que começou correndo, apressado – promete. Mudanças importantes estão por vir, e em 2008 mais do que nunca o mundo será minha ostra. Já tenho três viagens a trabalho programadas para o primeiro semestre (em três continentes diferentes!), dois casamentos em lugares distintos no Reino Unido pra ir e uma semana de férias planejada pra quando der (sooner rather than later, eu espero). E este é o ano em que eu e tantas outras pessoas queridas completam 30 primaveras, o que certamente requer uma edição especialíssima do Festivo!

Não costumo fazer resoluções de ano novo porque prefiro adotar os objetivos importantes assim que eles se encaixem nesta categoria, e não gosto de prometer coisas que talvez não consiga cumprir. Espero conseguir atualizar o blog com mais freqüência, mas como isso muitas vezes depende de fatores externos e fora do meu controle, só posso torcer para que a inspiração venha nos momentos certos, quando eu estiver com um computador à mão e com tempo à disposição!

Feliz 2008!

Fri
24
Aug '07

Mais um ano de experiência


Mood: Aniversariante
Music: The Final Countdown, Europe

Tem anos que passam e a gente não sente; olha pra trás, pensa nas coisas que aconteceram e se pergunta: “O que aconteceu de notável este ano?” – sem encontrar uma resposta adequada. Hoje, meu vigésimo nono aniiversário, eu olho pra trás e a pergunta que me vem à cabeça é: “O que não mudou na minha vida de um ano pra cá?”

Estou namorando em vez de solteira. Mudei de emprego. Fiz novos amigos, e perdi contato com alguns amigos antigos. Refiz alianças e conquistei inimigos. O melhor de tudo, no entanto, é perceber que praticamente todas as mudanças foram pra melhor, e que, olhando pra o ano que passou, não me imagino fazendo nada diferente.

Se os próximos anos forem tão positivos quanto esse, mal posso esperar pelos 30! :-)

Thu
16
Aug '07

Tudo ao mesmo tempo agora


Mood: Atolada
Music: Ztarlight, Digitalism

Estou me sentindo como a Dorothy de O Mágico de Oz no momento, sendo empurrada de um lado pro outro dentro de um furacão. Um furacão bom, cabe dizer, mas não sei onde o tempo está indo. Daqui a uma semana é meu aniversário (jááááá?), mas este ano n’ao vai ter um Festivo propriamente dito porque falta dia – vou viajar na sexta pra um casamento que acontece no sábado, e durante a semana tem vááárias outras coisas acontecendo. Só pra vocês terem uma idéia, só neste sábado eu tenho três festas pra ir.

Isso sem falar no trabalho. Por que diabos fui ter a idéia de não tirar férias entre um emprego e outro! O emprego novo – de editora do site de uma revista chamada Duty-Free News International, se alguém quiser saber – começou devagarinho, mas já tenho a impressão de que não vou ter tempo pra nada muito em breve. E já tenho a minha primeira viagem a trabalho agendada: Cannes, no fim de outubro, pra um mega-evento do mundo duty-free. Chique, né? ;-)

E aos pouquinhos, como quem não quer nada, o tempo passou e eu não percebi em outro aspecto da minha vida: em pouco mais de duas semanas, completo um ano de namoro com o ruivo. Pra onde foram os dias, as semanas, os meses???

Não estou reclamando, muito pelo contrário. Quem me conhece sabe que eu gosto de uma bagunça. Mas sabe como é, quando a gente chega perto dos 30, começa a prestar mais atenção na passagem do tempo… :-)

Wed
1
Aug '07

Os porquês do sexo


Mood: Estudiosa
Music: If I Ever Leave This World Alive, Flogging Molly

Cientistas da Universidade do Texas resolveram criar o ‘Kama Sutra’ das razões pelas quais as pessoas fazem sexo, segundo este artigo do New York Times. As revelações, ainda que não surpreendentes, impressionam: no topo da lista tanto para homens quanto para mulheres está a atração física – a famosa química, em bom português. Amor e paixão também estão no top ten, o que era previsível.

Ao que parece, no entanto, outras razões citadas pelos entrevistados vão desde “para curar uma dor de cabeça” até “para me esquentar”, provando que o importante é participar, seja qual for o motivo!

Leiam a matéria, é bem interessante. A lista completa de explicações encontradas pelos cientistas está aqui (é um documento do Word) – diversão garantida!

Thu
26
Jul '07

Contagem regressiva


Mood: Ansiosa
Music: Little Dreamer, Van Halen

Falta pouco mais de uma semana para o meu primeiro dia no novo emprego. Nunca trabalhei tanto tempo no mesmo lugar quanto na minha empresa atual, então estou tentando me preparar pro choque que deve ser começar do zero num lugar completamente novo, e com bem mais responsabilidade do que tenho hoje.

Não me entendam mal, estou animadíssima: a oportunidade é ótima, e vou trabalhar numa área onde não tenho experiência, o que é um desafio e deve por si só me manter ocupada por um bom tempo. Mas meu lado virginiano que não gosta de mudanças radicais e prefere estabilidade fica gritando aqui dentro, reclamando: “Pra que mexer em time que está ganhando?” A resposta é óbvia: não dá pra ficar parada, e eu tenho ambições que não serão alcançadas se eu ficar aqui minha vida inteira apenas por conveniência.

Sentirei saudades daqui, e das pessoas com quem trabalhei durante estes três anos e meio (menos uma, com quem os leitores deste blog estão familiarizados). Por outro lado, mal posso esperar pra conhecer meus novos colegas – vou dividir o escritório com as equipes de sete revistas diferentes, além da “minha”!

Enfim, é normal sentir esse friozinho na barriga antes de qualquer evento que muda a vida da gente. Não estou preocupada, só um tiquinho ansiosa. Mas passa. :-)

Tue
3
Jul '07

Ideais de segurança


Mood: Impaciente
Music: I Predict A Riot, Kaiser Chiefs

Não sei quanto foi publicado no Brasil a respeito dos recentes incidentes ligados ao terrorismo que ocorreram na última semana no Reino Unido, mas imagino que a maioria saiba por alto do que se trata. Pra quem estava em Marte, resumirei o caso.

Na sexta passada, dois carros-bomba foram encontrados e desarmados no centro de Londres. Depois, no fim de semana, dois homens tentaram entrar com um carro em chamas no aeroporto de Glasgow, na Escócia. Desde então, o nível de segurança por essas bandas subiu absurdamente, por motivos óbvios.

Sou a primeira pessoa a louvar os esforços da polícia em garantir que nada de ruim aconteça, especialmente onde centenas ou milhares de pessoas inocentes possam ser vítimas da covardia dos terroristas. Acho ótimo que haja revistas aleatórias e entendo que um pouco de paranóia seja uma conseqüência natural em vista dos acontecimentos.

Por outro lado, todo mundo sabe que o que os terroristas querem é bagunçar a vida de todo mundo. Matar pessoas é apenas um efeito colateral das suas tentativas de assustar as pessoas ao ponto delas mudarem seu estilo de vida. Por isso fico um pouco revoltada quando as precauções das forças de segurança são exageradas.

Hoje de manhã, houve pelo menos três ‘suspeitas de bomba’ em diversos pontos na cidade, todos resultando em fechamento de ruas e linhas do metrô londrino e, obviamente, em prejuízo pra milhares de pessoas. Todos os três incidentes revelaram-se alarmes falsos. Só que até isto ser provado, a confusão já tinha sido armada e o caos tomou conta da cidade.

Mais uma vez, acho ótimo que o assunto seja tratado com a seriedade que merece. Mas será que é realmente necessário para tudo pra só depois verificar o que de fato está acontecendo? Isso acaba gerando pânico desnecessário na tentativa de ‘mostrar serviço’. Será que todos os inconvenientes ao público são mesmo importantes, ou será que a polícia (e o governo, é claro) estão querendo provar algo para os olhos atentos da mídia (e do resto do mundo)?

Thu
14
Jun '07

Sobre religião e outros bichos


Mood: Cartesiana
Music: Cowboys, Portishead

Acho que trabalhar com jornalismo científico serviu pra abrir meus olhos para diversas coisas que eu fingia não ver antes. Um dos meus colegas é ateu doente (se é que posso pegar emprestado um termo quase futebolístico e aplicá-lo a religião!) e outro foi oficialmente excomungado pela Igreja Católica (não perguntem), então temos ótimas discussões sobre o tema aqui no escritório. Mas o buraco é beeeem mais embaixo.

Muita gente acha que religião e ciência são temas mutuamente exclusivos. Não é verdade. Conheço diversos cientistas e pesquisadores que se consideram pessoas religiosas, têm e praticam uma fé, e não necessariamente vêem um conflito entre seu trabalho e seu lado espiritual. Por outro lado, varios outros são ateus e não acreditam em nada que não possa ser provado e explicado através do método científico.

A linha que divide fé e ciência é bastante tênue às vezes. Enquanto escrevo este texto, por exemplo, milhares de físicos de todo o mundo (especialmente da Europa) estão construindo o mais potente acelerador de partículas do planeta para, quando este for ativado, comprovar a mais aceita teoria sobre a origem do universo – ironicamente, baseada na chamada “partícula de Deus” (bóson de Higgs para os íntimos).

É claro que algumas religiões tornam a coexistência pacífica entre a idéia de forças superiores que influenciam nossas vidas e conceitos científicos tais como a seleção natural de Darwin uma tarefa complexa (pra não dizer impossível), mas apesar do que pregam os defensores do design inteligente, continuo achando que o olho humano – por mais inacreditável que pareça – foi sim fruto de um processo evolutivo que começou há bilhões de anos atrás.

A verdade é que hoje em da estou muito mais para pastafari do que cristã, e enquanto os dirigentes da Igreja Católica e de outras religiões continuarem a tomar atitudes como a de condenar a Anistia Internacional por esta defender abortos na África em caso de estupro, não vou conseguir levar o que eles dizem a sério. Já passou da hora deles acordarem para a realidade do mundo…

Wed
13
Jun '07

Sejamos coerentes


Mood: Contemplativa
Music: The Importance of Being Idle, Oasis

Durante sua recente visita ao Brasil, o Papa Bento XVI falou várias coisas polêmicas, mas uma delas em especial reverberou na minha cabeça: sua posição sobre católicos pró-escolha em relação ao aborto. Pra quem não sabe, o Pontífice disse que os membros da religião que apóiam o direito de uma mulher realizar um aborto se quiser devem ser excomungados.

Sou completamente pró-escolha. Não sei se eu faria um aborto caso engravidasse, mas acho que todo mundo deveria ter a chance de decidir se tem estrutura para colocar uma criança no mundo. Aqui na Inglaterra, onde o aborto é legalizado, as mulheres têm esse direito. No Brasil a coisa não é tão simples: a não ser que a mulher em questão tenha acesso a um médico que faça o procedimento clandestinamente – e tenha condições de pagar por ele – as soluções à disposição vão de tomar remédios caseiros a usar instrumentos como cabides para se livrar do bebê, muitas vezes com conseqüências desastrosas para a mãe.

Tenho uma historinha pra contar sobre este assunto. Minha mãe costumava utilizar os serviços de uma costureira, que ia à nossa casa de tempos em tempos para fazer roupas e fazer consertos. Esta senhora tem uma filha da minha idade, que aos 16 anos engravidou do primeiro namorado (segundo ela, durante sua primeira vez com ele). A mãe dela, supertrabalhadora, teria condições de pagar por um aborto, mas a menina preferiu ter a criança. Abandonou a escola, teve o menino e juntou-se com o namorado. Até hoje eles ainda estão juntos, e tiveram outra filha alguns anos depois, mas dependem da mãe dela pra sobreviver. E eu cresci ouvindo a costureira se lamentar pela decisão da filha, que teve a oportunidade de construir um futuro diferente pra si, graças ao trabalho da mãe, mas jogou a chance pela janela.  

Até pouco tempo atrás, eu me considerava católica de fato, apesar de ter uma maneira particular de demonstrar minha fé (por exemplo, me confessei uma única vez, antes da minha Primeira Comunhão, e nunca mais). Tive meus altos e baixos. Houve época em que eu ia à missa todo domingo, mas por outro lado passei muito tempo afastada da religião depois de brigar com um padre a respeito do uso da camisinha – também, o cara queria me convencer de que ela não funcionava para prevenir doenças sexualmente transmissíveis porque tem microporos por onde os vírus passam!

Quando o Papa deu sua declaração a favor da excomunhão dos católicos pró-escolha, minha reação inicial foi de revolta. Mas depois de refletir um pouco, cheguei à conclusão de que o velhinho está certo. Se você se diz católico, não pode escolher só as partes da religião que te apetecem, descartando o que considera incoerente ou anacrônico, que é o que eu fazia. Para ser coerente de fato, eu não posso me declarar parte da Igreja Católica, já que não sigo o que os líderes da religião pregam.

Obviamente, não me considero mais católica. E aproveito a deixa para fazer um pedido aos leitores deste blog que, como eu, são católicos na teoria mas não na prática: sejamos coerentes, e abandonemos o barco antes que o Papa nos excomungue a todos.

Thu
7
Jun '07

Montanha-russa


Mood: Preocupada
Music: Cry Me A River, Julie London

Impressionante como, num mesmo dia, podemos receber notícias tão contraditórias. E a capacidade de empatia do ser humano – de sofrer pelos males dos outros – nunca cansa de me surpreender. Sim, o post é vago, mas não posso entrar em detalhes (ainda). Aguardem as cenas dos próximos capítulos.

Mudando pra um assunto mais light, finalmente assisti ao final da terceira temporada de Lost – e que final, hein Bial?

Fri
13
Apr '07

Brinquedo novo


Mood: Dançante
Music: Lucky Star, Madonna

Fiz uma doideira e me dei de presente um brinquedo novo: uma Canon EOS 400D. Sempre gostei de fotografia, embora nunca tenha me prestado a nada além de fotos de amigos, eventos e viagens. Resolvi tomar vergonha na cara e investir num hobby que andava meio abandonado, e já que é pra fazer, vamos fazer direito.

Meu bebê chegou na terça, e desde então comecei a tirar fotos de teste pra ver o que acontecia. Vocês podem acompanhar minhas desventuras fotográficas no meu Flickr - esse fim de semana tem caminhada e vou levar a coitada da máquina, então preparem-se pra uma enxurrada!

Wed
11
Apr '07

Um olhar diferente


Mood: Filosófica
Music: Standing In The Way Of Control, Gossip

Visitei Londres pela primeira vez em 1994, em uma viagem com a família pelo Velho Continente. Lembro que meu irmão, na época um adolescente com hormônios em polvorosa, classificou os países que visitamos em termos da beleza de suas habitantes do sexo feminino, e a Inglaterra ficou na lanterna do ranking.

Por algum motivo isso me veio à cabeça hoje de manhã, durante minha viagem cotidiana para o escritório. Não sei se meu conceito de beleza mudou ou se Londres está mais interessante, mas reparei em várias mulheres que eu consideraria belas no ônibus e no metrô. Talvez os quase 13 anos que separam aquela primeira experiência e o que vi hoje tenham feito uma grande diferença, seja porque a população da cidade está mais misturada – cultural e socialmente – do que nunca, seja por causa das atuais preocupações com saúde e aparência que dominam a sociedade ocidental.

Independentemente do motivo, tem muita mulher gata na capital britânica. Loiras ou morenas, inglesas ou indianas, produzidas ou relaxadas, tem colírio pra todos os gostos. Ou talvez a beleza realmente esteja no olhar no observador, e eu é que ando vendo gente bonita por todos os lados. :-)

Fri
30
Mar '07

A hora e a vez do leitor


Mood: Democrática
Music: Werewolves of London, Warren Zevon

Como os comentários andam bem esparsos, cheguei à conclusão de que alguma coisa aconteceu: ou meus escritos tornaram-se banais e desinteressantes, ou todo mundo que lê esse blog tá muito ocupado, ou então alienígenas tomaram seus lugares. Seja qual for o motivo, quero mudar esta situação trágica.

Sendo assim, hoje (e no fim de semana, se o negócio estiver bom) você, leitor querido, manda nessa bagaça. Comente, critique, sugira, divague, pragueje, reclame, elogie; só não vale xingar a mãe nem postar spam. Farei o possível para atender a pedidos, caso vocês queiram que eu escreva sobre alguma coisa específica. Não se acanhe, participe! :-) 

Mon
12
Mar '07

Music and more


Mood: Ensolarada
Music: Two Worlds Collide, Inspiral Carpets

No sábado fui com o bonitão ao show da banda Inspiral Carpets, vista junto com Stone Roses, Happy Mondays, The Charlatans e outros grupos como precursores do indie rock que hoje domina os iPods dos moderninhos de plantão. Confesso que conhecia poucas das canções que eles tocaram na apresentação, mas fiquei impressionada com a energia dos músicos no palco – muito mais empolgados do que outros 20 anos mais novos – e com a animação da platéia, possivelmente em vista do fator embriaguez (a maioria das pessoas parecia estar completamente chapada). Fiquei na primeira fila, pertinho do palco, e ainda fiquei com uma das baquetas jogadas pelo baterista no fim do show. :-)

Aliás, acabei de descobrir que a formação original do Rage Against The Machine vai se reunir pra realizar quatro apresentações este ano – todas na Califórnia. Não é justo! Uma das datas é o último dia do Coachella Festival, cujo lineup inclui os supracitados Happy Mondays (que estão gravando um novo álbum depois de um hiato de 14 anos!) e The Jesus and Mary Chain, que eu nem sabia que ainda existia. Direto do túnel do tempo…

Em tempo: ao que parece, a primavera finalmente chegou por essas bandas – fez sol o fim de semana inteiro e hoje a máxima prevista são 18º C, oito graus acima da média para esta época do ano. Por um lado fico feliz (já que os dias estão lindos), mas por outro esse tempo maluco me preocupa um bocado. Espero que o verão não se empolgue demais!

PS: Heroes é bom demais! Passei o vício adiante ao contaminar o ruivo. ;-)

Tue
30
Jan '07

Tentativa de atualização


Mood: Com dor de cabeça
Music: Here We Go Again, OK Go

Não vou conseguir contar todos os detalhes das minhas cinco semanas no Brasil neste espaço (nem quero!), então vou tentar descrever os momentos mais marcantes de forma bem orgânica (isto é, sem nenhuma organização). :-)

* Minha mãe: O ponto mais relevante da temporada brasileira foram as três internações da D. Sylvia, cada uma por um motivo diferente (todos relativos ao corações e/ou pulmões). Foram quase duas semanas de UTI, com direito a sedação, entubação, desfribilação e vários outros procedimentos terminados em ão. Agora ela está em casa (de vez, esperamos!), mas até este fim de semana a tensão continuava. Agradeço a todos pela preoupação e pelo carinho!

* Visitas: Recebi ilustres convidados, cuja presença infelizmente coincidiu com as internações da minha mãe, o que tirou um pouco do brilho das ocasiões. De qualquer maneira, espero que o Marcio, a Vanessa e o Joern tenham aproveitado a Cidade Maravilhosa e nossa hospitalidade.

* Casórios: Foram só dois no fim das contas, já que um deles era no dia da primeira internação da minha mãe (clima zero pra festa) e o outro foi adiado. Me diverti horrores, tirei um monte de fotos e revi diversos amigos queridos. O que me leva ao próximo tópico…

* Amigos: Cada vez que vou ao Brasil tenho a impressão que vejo um número menor de pessoas, mas vejo este grupo seleto com mais freqüência. Acho que é normal “perder” alguns amigos pelo caminho, ainda mais morando em outro continente, mas nunca canso de me surpreender com a ternura que os amigos de verdade – não necessariamente aqueles que eu consegui ver dessa vez – sempre demonstram.

* Rio: Apesar dos pesares, das histórias de terror e da situação tensa em que a cidade se encontra, o Rio de Janeiro continua lindo. Embora eu não tenha me sentido menos segura, pude perceber que os que lá estão têm medo, e isso me entristece bastante. Tomara que as coisas comecem a melhorar com o fim do reinado dos Garotinhos.

* Médicos: Como é caro ir ao médico! Acabei indo visitando dentista, ginecologista, oftalmologista e dermatologista, e gastei uma pequena fortuna entre consultas e exames. E ainda por cima fui proibida de pegar sol pelo derma: de que adianta passar cinco semanas no Rio em pleno verão se nem à praia eu podia ir? Humpf! Fui rebelde e visitei o Posto 9 uma vezinha, às quatro da tarde, pra um mergulho rápido. Não me arrependi, apesar da água sujinha, sujinha.

Thu
18
Jan '07

Ano novo, post novo


Mood: Preocupada
Music: It’s A Sin, Pet Shop Boys

Achei que eu fosse ter tempo e cabeça de escrever à beça por aqui durante minhas férias, mas o destino determinou que não, por diversos motivos. O mais importante foi que minha mãe entrou ontem em sua terceira internação hospitalar em um mês, e meu descanso acabou não sendo tão relaxante assim. Tem muita novidade pra botar em dia, só que elas (e vocês) vão ter que esperar mais um pouco. Eu volto.

Wed
22
Nov '06

Closure


Mood: Passando a régua
Music: Last Dance, The Cure

Acho que não existe um português uma palavra que exprima exatamente o que closure realmente representa: aquela sensação de página virada, de capítulo novo que começa na vida da gente.

Hoje tive a conversa que faltava pra virar uma página na minha vida. E foi como eu esperava, indolor e por vezes até mesmo doce, mas chorei assim mesmo. É difícil abrir mão de certos trechos de nossas histórias, especialmente aqueles que achamos que poderiam ter um desfecho diferente. Mas o importante – essencial, na verdade – é que capítulos se encerrem e novas aventuras tenham início.

Neste caso, o novo capítulo já havia começado, mas o antigo estava à espreita, esperando uma oportunidade de voltar com força total. Agora não existe mais este risco, e estou em paz. Que venham as próximas aventuras!

Tue
7
Nov '06

Curtas


Mood: Estressada
Music: Sweet Potato, Sia

Estou tão atarefada no trabalho que até somatizando o meu estresse eu estou. Sai desse corpo, coisa-ruim! Ainda bem que não falta muito até minhas férias de verdade começarem…

*****

Amanhã vou assistir ao badaladíssimo Borat no cinema, na quinta vou a um evento que promete e sexta de manhã embarco no Eurostar para Bruxelas. O melhor de tudo? A companhia, dele, sempre. A estafa vai embora só de pensar em tanta coisa boa. :-)

*****

Não sei por que ainda me espanto com a quantidade de gente que chega no meu blog procurando por peitos grandes em sites de busca. Tá, eles até estão no lugar certo, mas não acho que seja isso que eles queiram…

*****

As pessoas deveriam ser obrigadas por lei a ouvir o álbum Colour The Small One da Sia. É muito, muito, muito, muito bom. E ela é um barato, uma figuraça mesmo.

*****

O aquecimento aqui de casa não está funcionando. Até que nem está tão frio ainda (uns 8 graus no momento), mas levantar da cama de manhã é um sacrifício. Espero que consertem logo o bendito!

*****

O pai de uma amiga querida está bastante doente, e no fim de semana fiz uma coisa que não fazia há algum tempo: fui à igreja e acendi uma vela pra que ele se recupere. Deu saudades de ir com mais freqüência… vou tentar retomar esse hábito bom.

Wed
18
Oct '06

Sinal dos tempos


Mood: Produtiva
Music: Float On, Modest Mouse 

Vou ao Brasil em dezembro de férias, e desta vez caprichei: vou passar cinco semanas curtindo a família, os amigos e as coisas boas que só encontramos em terra brasilis. O que me chocou foi descobrir que eu fui convidada pra quatro casamentos durante este período – será que colocaram alguma coisa na água no Rio? Isso sem falar nos inúmeros casamentos que perdi no último ano e meio… :-)

Brincadeiras à parte, a quantidade de amigos meus casando no último ano (e no futuro próximo) é tão grande que fico feliz em não ter que comprar presentes pra todos, senão eu iria à falência – apesar de ganhar em libras, eu também gasto em libras!

Na verdade, enquanto romântica incurável que sou acho lindo e dou o maior apoio a todos os casais que tomam coragem e investem pesado numa vida a dois. Se forem pessoas queridas então, melhor ainda! Não é só no Brasil que os casórios estão pipocando, a propósito: duas colegas aqui do trabalho estão com a data marcada, outra se casou há pouco tempo e uma amiga brasileiras recentemente se mudou pra morar junto com o namorado.

O que assusta mesmo são os filhos – amigos do Brasil e daqui estão igualmente férteis e produtivos, e quando eu for pro Rio tenho que conhecer pelo menos quatro bebês nascidos no último ano. Cinco semanas de férias parece muito, mas acho que vou ter tantos compromissos que esse tempo vai passar voando…

Thu
10
Aug '06

Trabalhadora do meu Reino Unido


Mood: Espevitada
Music: Empire, Kasabian

Uma das novidades agora eu posso contar: serei ‘promovida’ por dois meses no trabalho. Explico: meu chefe vai tirar dois meses de licença não-remunerada para cruzar os Estados Unidos de carro com a namorada (inveeeeeja!), e vou substitui-lo enquanto ele estiver passeando de costa a costa por lá.

A parte ruim é que, além de todo o trabalho que eu já faço – e que só tem aumentado, com projetos novos (e muito legais) aparecendo o tempo todo – vou ter que fazer o trabalho dele também. A parte boa é que, além do bônus de fim de ano que todos os funcionários da empresa ganham em janeiro, vou ganhar um ‘bônus’ especial pra refletir o aumento de responsabilidade – na prática, um aumento de salário por dois meses, mas que só vai cair na minha conta de dezembro.

Outra coisa legal que está acontecendo profissionalmente é que vamos lançar uma revista de ciência e tecnologia para jovens entre 16 e 19 anos de idade (ou seja, que estão no equivalente ao Segundo Grau aqui) em setembro, e sou a editora da dita cuja. Ontem participei de uma sessão de fotos pra tirar uma decente pra aparecer na ‘Carta do Editor’ – chique, né? :-)

Wed
19
Jul '06

Parabéns…


… pros meus pais, que hoje completam a bagatela de 37 anos de casados. Somando três de namoro, são 40 anos de brigas e reconciliações, alegrias e tristezas, problemas e soluções. Nenhum relacionamento é perfeito, e o dos meus pais tem as suas limitações, mas eles sempre foram e sempre serão pra mim um modelo de sucesso por tudo o que conquistaram juntos até hoje. Amo vocês!

Thu
25
May '06

Terrorismo tupiniquim


Mood: Pensativa
Music: A Whiter Shade of Pale, Procol Harum

Agora que passou um pouco a paranóia em São Paulo por conta dos ataques do PCC nas ruas da cidade, me peguei comparando sem querer a reação dos brasileiros aos eventos da semana passada com a reação dos londrinos aos atentados no metrô da capital britânica em julho do ano passado.

Sei que são dois eventos distintos, mas há similaridades suficientes pra traçarmos um paralelo. As ações do PCC foram terroristas em sua natureza – eles atacaram com o objetivo de causar pânico, e foram bem-sucedidos. Enquanto isso, aqui em Londres aconteceu o contrário: a população da cidade, consciente de que o que os terroristas queriam era causar confusão, fez o possível para que sua rotina não mudasse, numa demonstração clássica da fleuma britânica.

Acho que o diferencial é experiência. Londres foi bombardeada durante duas guerras, e sofreu nas mãos do IRA durante décadas. O jogo de cintura do brasileiro não dá conta de guerra civil – a classe média se apavora e chama pelo Exército; os ricos se escondem atrás de seus seguranças e carros blindados; e a grande maioria da população torce pra bagunça acabar o mais rápido possível, porque não podem fazer nada além disso.

Não estou fazendo juízo de valor – as circunstâncias das duas situações e as características de cada povo são particulares demais pra que se possa definir ‘certo’ e ‘errado’. Só tive esse insight de cunho duvidoso e resolvi compartilhá-lo com vocês. :-)

Wed
3
May '06

Finalmente!


Mood: Surpresa
Music: True Faith, New Order

A Igreja Católica parece finalmente ter aberto os olhos para o que está acontecendo no mundo: o jornal The Independent relata que o Papa Bento XVI pediu que estudos fossem realizados com vista a autorizar o uso da camisinha para prevenir a transmissão de DSTs, em especial o vírus HIV.

Ao que parece, ainda que a Igreja continue a considerar que abstinência e fidelidade sejam cruciais, a situação na África requer que alguma medida seja tomada para prevenir que cônjuges sejam contaminados por maridos e/ou esposas HIV+. Ouvi uma mulher no rádio dizer que a epidemia de AIDS no continente africano é fruto de moral frouxa, e que a liberação do uso de camisinha para católicos agravaria o ‘problema’. Em que dimensão essa Joselita vive? Até parece que as crianças que contraem o vírus das mães têm qualquer noção de moral, católica ou otherwise.

Bato palmas para o Papa e pros altos oficiais da Igreja caso eles realmente estejam considerando o assunto com o rigor que ele requer. Pra alguém que as pessoas temiam ser retrógrado e conservador, Bento pode entrar para a história como um revolucionário.

Wed
26
Apr '06

Vinte anos


Mood: Séria
Music: You Have Killed Me, Morrissey

Hoje é o vigésimo aniversário do acidente nuclear que colocou a cidade ucraniana de Chernobyl no mapa mundial. Lembro vagamente das notícias da época, de assistir na TV aos repórteres explicando o que tinha acontecido; lembro claramente do medo das pessoas, das discussões sobre o programa nuclear brasileiro, das terríveis conseqüências da radiação que contaminou a área.

Não fiquei sabendo disso naquela época, mas na Europa o pânico foi grande – a nuvem de radiação chegou ao Reino Unido, e boletins no rádio aconselhavam as pessoas a fugir se começasse a chover para minimizar riscos de contaminação.

Pouco tempo depois, o Brasil sentiu na pele os efeitos de materiais radioativos. Em 1987, Goiânia foi palco do que é até hoje considerado o maior acidente radiológico com Césio-137 do mundo. Quatro pessoas morreram, mas as conseqüências daquele incidente até hoje se fazem sentir, ainda que a mídia não dê mais atenção aos sobreviventes.

A tragédia de Chernobyl mantém-se atual apesar de seus vinte anos; as potências européias precisam de energia, e a construção de novas usinas nucleares está em debate em diversos países, incluindo a Inglaterra. Resta torcer para que, seja qual for a solução adotada, as lições de Chernobyl não sejam esquecidas jamais.

Wed
1
Mar '06

Ano eleitoral


Mood: Contemplativa
Music: Até Quando Esperar, Plebe Rude

“Lula recebe R$ 3.900 mensais como aposentado da ditadura que, em 1980, prendeu-o por 51 dias e tomou-lhe a presidência do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo. O governo japonês paga a cada um dos 300 mil sobreviventes das bombas de Hiroshima e Nagasaki uma pensão de US$ 1.120 (R$ 2.400). Para arrebentar o Japão foram necessárias duas bombas atômicas. Para detonar o Erário brasileiro, basta a voracidade.

- Elio Gaspari