Noites na Cidade: Divagações de uma jornalista brasileira em Londres.

Divagações e devaneios de uma carioca em Avalon

Thu
8
Nov '07

Ídolos de ontem e hoje


Mood: Doente
Music: Center Of The Sun, Conjure One

Ontem fui ao evento de lançamento do jogo Guitar Hero III: Legends of Rock, e se eu não estivesse resfriada e me sentindo meio bleh eu teria tido uma noite e tanto: fui embora cedo e perdi os shows de Funeral For a Friend e Maxïmo Park, o que me deixou chateada porque adoro a segunda banda e nunca os vi ao vivo (pra quem não conhece, procurem a música Our Velocity. O que eu não perdi foi uma coletiva de imprensa com John Lydon, mais conhecido como Johnny Rotten e vocalista dos Sex Pistols. Ícones do movimento punk em meados dos anos 70, os Pistols tiveram uma carreira curta e marcada por controvérsias e confusões, mas até hoje canções como God Save The Queen e Anarchy In The UK são até hoje hinos de uma geração.

Não sei o que eu estava esperando da coletiva, pra ser sincera. Ainda que em momentos Lydon tenha mostrado que pode ser divertido, engajado e cativante, a impressão que ficou é de que em boa parte da entrevista ele ficou se justificando – por ter se mudado para os EUA, por ter aparecido em um reality show aqui na Inglaterra, por fazer parte da turnê de reunião da banda, que embora desfalcada se apresenta amanhã aqui em Londres.

A rebeldia ainda está lá (Lydon acendeu um cigarro no meio da coletiva, embora desde julho seja proibido o fumo em lugares públicos na Inglaterra), mas vinda de um homem de 51 anos, soou um pouco forçada. Insultar os jornalistas que faziam perguntas (algumas idiotas, é verdade) pareceu ser um de seus passatempos favoritos. Mas carisma ele tem, e tenho certeza de que o show de amanhã será sensacional para os fãs.

PS: Como as duas edições anteriores, Guitar Hero III é divertidíssimo, e a seleção de músicas continua excelente. Ainda bem que tem uma versão de pobre pra PS2… ;-)

Mon
17
Sep '07

Intervalo comercial


Mood: Malandrinha
Music: In The Back Seat, The Arcade Fire

Interrompemos a nossa programação normal para um intervalo comercial: está no ar o mais novo episódio do RadarPop, podcast do qual participo. Nesta edição, falamos do Emmy, filmes, música e mais um monte de bobagens – ouvam djá!

Mon
18
Jun '07

O maior espetáculo da Terra


Mood: Alucinada
Music: Knights of Cydonia, Muse

Tenho certeza de que o maior espetáculo da Terra não é o circo, como pregam os veteranos do picadeiro da companhia Ringling Brothers (cujo show, coincidentemente, assisti durante uma viagem aos Estados Unidos em 1988). Quem merece tal título são os três rapazes de Devon conhecidos mundialmente como Muse e liderados por Matt Bellamy - também conhecido, de acordo como uma camiseta vista no show a que fui ontem, como Deus.

Tá, os três picadeiros simultâneos da companhia circense me impressionaram aos 10 anos de idade, mas também confundiram minha pobre cabecinha, já que eu não sabia pra onde olhar (“Tigres? Elefantes? Zebras? Aaaaaargh!”). A apresentação do trio inglês não me causou esse problema: apesar da coincidência numérica refletida nos membros do grupo, o palco único do show no estádio de Wembley não dava margem pra distrações – tirando, é claro, quando no meio do set acústico que iniciou o bis duas dançarinas voadoras, içadas ao ar por balões de gás, começaram a fazer acrobacias enquanto penduradas nos tais balões. Impressionante, meu povo, impressionante.

Imagino que não deva ser fácil pra uma banda dominar um estádio como Wembley. Se for, no entanto, os rapazes do Muse não pareciam estar fazendo nenhum esforço para levar os milhares de fãs presentes ao delírio, numa catarse que certamente comtribuiu pra tornar a atmosfera dentro da arena deliciosamente alucinante. Isso e os megatelões, o jogo de luz, a fumaça, o fogo e as trocas de instrumento e figurino dignos da Madonna…

Se esse show não fosse o suficiente pra fazer a alegria do meu fim de semana, no sábado teve um festival inteiro pra garantir meu divertimento, culminando com outra apresentação excepcional: desta vez a farra ficou por conta dos herdeiros do Kraftwerk (de acordo com meu maninho Péuna), o duo parisiense Daft Punk. Teve outros shows antes, mas a apresentação dos franceses foi tããããão maravilhosa que eu nem lembro direito (brincadeira, lembro sim – mas falo deles depois).

Foi um final de semana e tanto. E amanhã tem Smashing Pumpkins pra completar a festa. :-)

Fri
1
Jun '07

Mês agitado


Mood: Bem alimentada
Music: Mais Um, Onze

Junho mal começou e já posso dizer que tenho um mês agitado pela frente. Começando esta noite com o potencialmente mágico Brasil x Inglaterra no renovado estádio de Wembley e passando por shows, festivais de música e eventos sociais diversos, não acho que terei muito tempo livre nas próximas semanas.

Aliás, uma coisa que reparei desde que me mudei pra cá é que dificilmente consigo decidir o que vou fazer num determinado dia sem ser com antecedência. Por exemplo: este sábado eu tenho três festas pra ir, duas delas marcadas há pelo menos um mês. Sinto um pouco de falta da espontaneidade carioca, de ligar pros amigos às 9 da noite numa sexta e perguntar “Qual é a boa?”, sem pressão. 

Um dos complicadores é a antecedência com a qual você tem que comprar ingressos pra eventos. Os shows mais concorridos, bem como festivais e outros acontecimentos dignos de nota, têm ingressos esgotados em minutos. Hoje mesmo madruguei pra garantir minha presença no único show londrino dos Smashing Pumpkins, que eu adoro e vou perder em agosto agora que não vou mais ao Reading Festival (tenho um casamento no mesmo fim de semana). E isso porque eu comprei meu ingresso praquele festival no ano passado!

Em tempo: eu e bonitão completamos nove meses de namoro hoje, no mesmo dia do 40º aniversário do lançamento do seminal Sgt Pepper’s Lonely Hearts Club Band, aquele oitavo e mais badalado disco dos Besouros. :-)  

Mon
12
Mar '07

Music and more


Mood: Ensolarada
Music: Two Worlds Collide, Inspiral Carpets

No sábado fui com o bonitão ao show da banda Inspiral Carpets, vista junto com Stone Roses, Happy Mondays, The Charlatans e outros grupos como precursores do indie rock que hoje domina os iPods dos moderninhos de plantão. Confesso que conhecia poucas das canções que eles tocaram na apresentação, mas fiquei impressionada com a energia dos músicos no palco – muito mais empolgados do que outros 20 anos mais novos – e com a animação da platéia, possivelmente em vista do fator embriaguez (a maioria das pessoas parecia estar completamente chapada). Fiquei na primeira fila, pertinho do palco, e ainda fiquei com uma das baquetas jogadas pelo baterista no fim do show. :-)

Aliás, acabei de descobrir que a formação original do Rage Against The Machine vai se reunir pra realizar quatro apresentações este ano – todas na Califórnia. Não é justo! Uma das datas é o último dia do Coachella Festival, cujo lineup inclui os supracitados Happy Mondays (que estão gravando um novo álbum depois de um hiato de 14 anos!) e The Jesus and Mary Chain, que eu nem sabia que ainda existia. Direto do túnel do tempo…

Em tempo: ao que parece, a primavera finalmente chegou por essas bandas – fez sol o fim de semana inteiro e hoje a máxima prevista são 18º C, oito graus acima da média para esta época do ano. Por um lado fico feliz (já que os dias estão lindos), mas por outro esse tempo maluco me preocupa um bocado. Espero que o verão não se empolgue demais!

PS: Heroes é bom demais! Passei o vício adiante ao contaminar o ruivo. ;-)

Tue
27
Feb '07

Pílulas


Mood: Animadinha
Music: Learning To Breathe, Nerina Pallot

Continuando a seqüência musical do ano, hoje vou com o bonitão ao show da banda californiana We Are Scientists, que eu adoro. E um dos três grupos que vai abrir pra eles é o interessante Pull Tiger Tail, que estou supercuriosa pra ver ao vivo. Tenho que parar com essa mania de comprar ingressos pra shows, senão vou à falência em breve.

***

Seis meses de namoro nesta quinta. Queria entender a mágica por trás da relatividade do tempo que passamos junto com alguém: parece muito mais do que meio ano, mas ao mesmo tempo, os últimos seis meses voaram. Explicações à parte, não poderia estar mais feliz.

***

Os grandes vencedores do Oscar deste ano foram as casas de apostas – nenhuma grande zebra significa que eles botaram uma fortuna no bolso. Como adorei Os Infiltrados, achei os prêmios justos. Adorei que o excelente O Labirinto do Fauno tenha levado três carequinhas, mesmo que nas categorias consideradas menos importantes.

***

Depois de conhecer um laureado da Academia, fui juíza em uma feira de ciência organizada pela maior entidade de promoção científica do Reino Unido. Tô ficando chique mesmo!

***

Vi Hot Fuzz (divertido) e The Science of Sleep (bonitinho) na semana passada. Gostei dos dois, mas não achei nenhum deles fantástico. Se for ver o primeiro, assista a Shaun of the Dead primeiro; o segundo não tem contra-indicações, e vale pra ver o Gael García Bernal vestido de gatinho/ursinho. :-)

Tue
13
Feb '07

Anno musicalis


Mood: Quase gripada
Music: Freak Me Out, Weezer

Comparado ao resto da minha vida, fui a um número bizarro de shows no ano passado. Entre ingressos que ganhei, comprei e festivais, foram mais de 50 fácil – não sei exatamente quantos, mas só em Reading foram 30…

Adoro música, e adoro a energia que só apresentações ao vivo têm. As platéias londrinas são bem menos efusivas que as cariocas, no entanto, e isso foi um choque pra mim. Ao mesmo tempo, ir a um show é muito menos confuso, mais seguro e tem menos empurra-empurra do que em terra brasilis. A educação britânica também existe nas arenas musicais da capital!

Uma das coisas mais legais é a oportunidade de pagar uma merreca pra ver bandas interessantes – muitos bares e casas de show cobram £5 (pouco mais de R$20), e com palcos pequenos e menos gente, essas apresentações acabam por ser superintimistas, o que pra mim é bem mais interessante que um megashow com dois milhões de pessoas na platéia.

Essa semana, vou pela primeira vez ao estúdios da Abbey Road, que ficou famoso graças aos Beatles, para um evento de uma rádio via satélite. Lá vão tocar quatro grupos e artistas que ainda não estouraram mas prometem. E ter a oportunidade de vê-los antes da fama é o tipo de coisa que só uma cidade como Londres oferece.

Em tempo: minha semana só começou hoje graças a um vazamento de água na região onde meu escritório fica. A falta de energia fez com que minha empresa ficasse fechada, e ganhei um dia livre de grátis! Ah se toda semana começasse assim… :-)

Edit: A pedidos, essas são os artistas que verei amanhã: Wallis Bird, Dragonette, SWAY e The Sounds.

Wed
7
Feb '07

Pelada gelada


Mood: Decepcionada
Music: Karmacoma, Massive Attack

Ontem fui com um grupo grande de amigos, mais o namorado, ao Emirates Stadium pra assistir ao amistoso da seleção brasileira de futebol contra Portugal. Tirando alguns momentos do Brasil no primeiro tempo e os gols do time adversário no segundo, o jogo foi sonolento, chato até. Kaká não brilhou, e o talento de Ronaldinho e Robinho fizeram falta. Não sei se a culpa foi do frio (e que frio – brrrrr!), da camisa do Dunga (cruuuuuzes!) ou da falta de vontade dos jogadores, mas a verdade é que o programa só valeu pelos seguintes motivos:

* Ouvir o estádio inteiro vaiando o Cristiano Ronaldo toda vez que ele encostava na bola
* Ouvir o namorado (fofo!) cantando “Braaaasil, Braaaasil, Braaaasil” e “Ronaldo, vi*do!” com a gente
* Ver e participar das olas nas arquibancadas
* Entrar de novo no estádio, que é um espetáculo
* A troca amigável de provocações com os tugas

Esta noite, trocamos o programa esportivo por um cultural: eu e o bonitão vamos à Brixton Academy pra curtir um show do Massive Attack. Urru!

Wed
24
Jan '07

A verdade


Everything ends
The way it begins
God takes care of the little things

Wed
6
Dec '06

Trilha sonora da sua vida


Essa eu roubei do blog da Teca. A idéia é a seguinte:

1. abra seu programa favorito de mp3
2. coloque no shuffle
3. coloque a música pra tocar
4. para cada questão coloque a música correspondente
5. para cada nova questão, clique para ouvir a próxima música
6. não vale roubar, até porque as outras pessoas vão perceber.

Eu usei meu MP3 player, já que não tenho música nenhuma no computador daqui. A minha deu certo na maioria dos casos, como vocês vão ver. Algumas mereceram comentários, entre parênteses após o nome do artista. Quero ver a de vocês! :-)

Opening Credits: Extraordinary Ways – Conjure One feat. Poe

Waking Up: What a Feeling – Irene Cara

First Day At School: Dream a Little Dream of Me – The Beautiful South

Falling In Love: With You – Flaming Lips (não é a mais convencional, mas serve!)

Breaking Up: This Is Such a Pity – Weezer

Prom: The Boy With the Arab Strap – Belle & Sebastian

Life is Good: We’re Dancing – P.Y.T. (bem animada!)

Driving: Spitting Games – Snow Patrol

Flashback: More – Sisters of Mercy

Getting Back Together: Who Needs Shelter – Jason Mraz

Wedding: Romeo and Juliet – Dire Straits (perfeita!)

Paying the Dues: Red Dust – Iron & Wine

The Night Before The War: Forever Lost – Conjure One feat. Chemda

Final Battle: Helicopter – Bloc Party (música indie é boa pro combate)

Moment of Triumph: Gifted – Clor

Death Scene: Monsters – The Boy Least Likely To (bizarro…)

Funeral Song: Breakout – Foo Fighters (nada de choradoreira com essa!)

End Credits: Pain Lies On the Riverside – Live (hehehe)

Wed
15
Nov '06

Ah, se eu fosse rica…


Mood: Animada
Music: Too Lost In You, Sugababes

Todo ano, a BBC organiza nesta época uma campanha chamada Children In Need que, como o nome indica, arrecada dinheiro para ajudar crianças carentes. Além de um programa de TV (tipo Criança Esperança) com shows e arrecadação de doações diversas, uma das maiores atrações é o leilão de coisas que o dinheiro não compra realizado no programa de rádio de Terry Wogan, um dos apresentadores mais famosos do país.

As ‘coisas’ leiloadas vão desde ter um artista fazendo um show particular pra você e seus amigos em casa a viajar com apresentadores da BBC para o Eurovision. Mas o leilão do qual eu realmente gostaria de participar, se fosse rica isto é, é um dos de amanhã: voar até o Royal International Air Tattoo, o maior festival de aviação do Reino Unido, com ninguém menos que Bruce Dickinson! Ele apresentar um programa na Rádio BBC 2, além de ser o vocalista de uma das maiores bandas do planeta (mmmmmmetal!) e ser piloto comercial.

Pena que o leilão não é na semana que vem, depois de eu ter ganho os £120 milhões acumulados na loteria Euromillions… ;-)

Tue
7
Nov '06

Curtas


Mood: Estressada
Music: Sweet Potato, Sia

Estou tão atarefada no trabalho que até somatizando o meu estresse eu estou. Sai desse corpo, coisa-ruim! Ainda bem que não falta muito até minhas férias de verdade começarem…

*****

Amanhã vou assistir ao badaladíssimo Borat no cinema, na quinta vou a um evento que promete e sexta de manhã embarco no Eurostar para Bruxelas. O melhor de tudo? A companhia, dele, sempre. A estafa vai embora só de pensar em tanta coisa boa. :-)

*****

Não sei por que ainda me espanto com a quantidade de gente que chega no meu blog procurando por peitos grandes em sites de busca. Tá, eles até estão no lugar certo, mas não acho que seja isso que eles queiram…

*****

As pessoas deveriam ser obrigadas por lei a ouvir o álbum Colour The Small One da Sia. É muito, muito, muito, muito bom. E ela é um barato, uma figuraça mesmo.

*****

O aquecimento aqui de casa não está funcionando. Até que nem está tão frio ainda (uns 8 graus no momento), mas levantar da cama de manhã é um sacrifício. Espero que consertem logo o bendito!

*****

O pai de uma amiga querida está bastante doente, e no fim de semana fiz uma coisa que não fazia há algum tempo: fui à igreja e acendi uma vela pra que ele se recupere. Deu saudades de ir com mais freqüência… vou tentar retomar esse hábito bom.

Sat
4
Nov '06

Momento Mastercard


Mood: Apaixonada
Music: Protection, Massive Attack

Tem coisas que o dinheiro realmente não compra: ter um namorado que se oferece pra passar a sua roupa amassada enquanto você toma banho de manhã cedo não tem preço! Não achei que esse tipo de coisa existisse, pra vocês verem como eu não sou mal-acostumada. Pelo jeito vou acabar ficando… :-)

Em tempo: acabei de comprar ingressos pra um show do Massive Attack em fevereiro, e segunda é dia de adquirir entradas para ver Nine Inch Nails. Só isso pra compensar a quantidade boçal de shows que vou perder por estar no Brasil em dezembro!

Tue
31
Oct '06

Vida de VIP é difícil…


Mood: Chefe
Music: Destiny, Zero 7

Depois de muito penar pra encontrar alguém que estivesse livre numa sexta-feira à noite (a última) pra ir a um show di grátis comigo, acabei indo sozinha. A apresentação em questão era a gravação ao vivo de um programa da Radio BBC 2, mas eu só sabia que haveria uma participação especial do cantor americano Josh Groban, que ficou famoso ao aparecer no episódio final da série Ally McBeal à tenra idade de 21 anos. Hoje com 25, Groban está lançando seu terceiro disco, o primeiro em que teve real liberdade de compor suas próprias músicas.

Depois de uma confusão com a pessoa com quem eu pegaria meu ingresso, finalmente consegui entrar no auditório do Mermaid Theatre, onde a gravação ocorreria. A idade média dos presentes, percebi com certa apreensão, devia estar na casa dos 60 – não era um bom sinal.

O motivo da presença de tanta gente de idade avançada era a apresentação da BBC Concert Orchestra. Os velhinhos fazem parte de um clube que vai a todos os concertos da orquestra – menos mal, já que adoro música clássica.

Fomos informados pelo apresentador que o primeiro bloco teria somente a orquestra, e o segundo contaria com a participação de Groban. A apresentação começou bem: o primeiro número foi nada menos do que a música-tema de Guerra nas Estrelas, composta pelo sempre espetacular John Williams. A nerd dentro de mim ficou toda contente, obviamente. ;-)

O show de Groban foi ótimo. Apesar de jovem (ele tem 25 anos), o cantor tem uma voz potente e límpida, e embora ele não arrisque muito – provavelmente pra não alienar as fãs – algumas das cancões do novo disco impressionam, em especial a excelente Machine, que no álbum conta com a participação de Herbie Hancock.

Mas o melhor ainda estava por vir: junto com o ingresso recebi um passe para a festinha VIP pós-show, que devia ter umas 50 pessoas no máximo, e a maioria trabalhava pra Warner ou pra BBC. Flanei pelo salão bebericando champã e batendo papo com os membros da banda – vida ruim, essa de jornalista… :-)

Voltei pra casa alegrinha, mais pelo efeito do álcool do que da noite em si. Só sei que durmi que foi uma beleza!

Em breve: Zero 7, a festa que não houve e Dia das Bruxas. Ah, e comentem! Estou sentindo falta de vocês. :-)

PS: Pra quem tiver curiosidade de ouvir o show acima, até quinta-feira agora ele estará disponível aqui.

Tue
24
Oct '06

E a maré continua


Mood: Sortuda
Music: Love Is Alive, The Cuban Brothers

Minha maré de sorte persiste: depois de ganhar na sexta passada ingressos pra premiere inglesa de um filme, na qual não pude ir por causa do show do Panic! At The Disco, hoje tinha um envelope esperando por mim quando estava pra sair de casa. Dentro, um convite pra backstage party da edição 2006 do MTV Europe Music Awards, uma espécie de “prêmio de consolação” pra quem não pode ir ao evento em Copenhagen. Embora o convite não deixe isso explícito, imagino que seja boca livre, e ainda vai ter um showzinho dos ótimos The Cuban Brothers. Ô rabo! :-)

O show do Panic!, aliás, foi ótimo – ao contrário da apresentação low-key de Reading, desta vez o quarteto americano caprichou no cenário e nos extras: duas bailarinas e um palhaço animavam as performances e interagiam com os membros da banda, enquanto um enorme moinho a la Moulin Rouge decorava o fundo do palco. Em cima de tudo, um letreiro luminoso e piscante trazia o nome do grupo. O engraçado foi a quantidade de adolescentes no lugar: com certeza a maioria devia ter uns 13 anos de idade, o que foi ótimo porque pela primeira vez consegui ver um show inteiro, já que quase todos eram mais baixos do que eu (isso nunca acontece!). ;-)

Ah, e essa semana tem mais música: vou assistir ao excelente Zero 7 em ótima companhia no sábado. Vi a banda pela primeira vez pouco depois de me mudar pra cá, em 2003, e eles provaram que têm ainda mais energia no palco. A pergunta que não quer calar é: será que José Gonzalez, responsável pelos vocais em várias das canções do álbum novo do grupo, faz parte da turnê?  

Sat
21
Oct '06

Porque eles merecem


Mood: Serelepe
Music: But It’s Better If You Do, Panic! At The Disco

Essa semana foram anunciados por aqui os vencedores do Wildlife Photographer of the Year, um dos mais importantes concursos de fotografia do mundo. E os premiados são sensacionais, com algumas fotos de tirar o fôlego mesmo. O link tá aí em cima pra vocês conferirem. :-)

Hoje vou ver os rapazes do Panic! At The Disco pela segunda vez este ano, e mal posso esperar – o primeiro show foi interrompido quando o vocalista tomou uma garrafada na cabeça, mas em festivais grandes como Reading essas coisas acontecem. Um show só da banda com certeza será melhor, mais animado e divertido, e só com fãs de verdade.

Antes do show, no entanto, vou a uma feijoada! Só quem mora fora sabe o prazer especial que é comer uma feijoada, um churrasco decente. E essa vai ser feita por uma cozinheira profissional, então me preparei psicologicamente comendo só um iogurte de café da manhã. ;-)

Thu
12
Oct '06

Dando cambalhotas


Somersault
Zero 7

You’re the prince to my ballerina
You feed other people’s parking meters
You encourage the eating of ice cream
You would somersault in sand with me

You talk to loners, you ask how’s your week
You give love to all and give love to me
You’re obsessed with hiding the sticks and stones
When I feel the unknown
You feel like home, you feel like home

You put my feet back on the ground
Did you know you brought me home
You were sweet, and you were sound
You saved me

You’re the warmth in my summer breeze
You’re the ivory to my ebony keys
You would share your last jelly bean
You would somersault in sand with me

You put my feet back on the ground
Did you know you brought me home
You were sweet and you were sound
You saved me

You put my feet back on the ground
Did you know you brought me home
You were sweet and you were sound
See I had shrunk yet still you wore me around
And ’round and ’round

Tue
10
Oct '06

Um mês em um post


Mood: Satisfeita
Music: Hyper Music, Muse

Tá, eu sei que estou devendo atualizações decentes e não necessariamente musicais há um tempão. Mas ando preocupada demais curtindo a vida pra descrevê-la por aqui, então peço perdão aos leitores do blog que andam sem notícias. As novidades são muitas e ótimas, e não vou poder mencionar todas; vou fazer uma pequena listinha das coisas que andei fazendo.

* Cinema: vi uma porção de filmes, alguns ótimos e outros nem tanto. A lista inclui, Clerks II, Black Dahlia, Severance, Brothers Of The Head, Click, A Scanner Darkly e Volver. Devo ter esquecido algum, como sempre, e em breve devo ver mais um catatau já que semana que vem começa o Festival de Cinema de Londres. Iupiiiiii!

* Teatro: fui ver um comediante irlandês ótimo, Dylan Moran, perto de casa, e semana passada me matei de rir assistindo a Spamalot, a excelente adaptação musical do clássico Monty Python Em Busca do Cálice Sagrado. Teve direito até a sanduíches de spam sendo vendidos no intervalo, hehehe!

* Viagens: não fui a lugar nenhum desde Reading, mas vou a Bruxelas no mês que vem pra um fim de semana prolongado. E, é claro, em pouco mais de um mês estarei aportando em Terra Brasilis pra curtir longas e merecidas férias. Só não estou muito animada pelo calor que devo encarar por lá…

* Esporte: vi meu time daqui ganhar de um timeco sem-vegonha em Peterborough, no meio do nada, e no começo de novembro vou mais uma vez a um estádio, dessa vez aqui em Londres mesmo. Ah, e fui aos dois jogos da seleção brasileira aqui na capital inglesa: como civil contra a Argentina, e a trabalho na partida contra o País de Gales. Falei com o Ronaldinho Gaúcho, olha que chique! ;-)

* Gandaia: sempre, e cada vez melhor, agora que estou em ótima companhia. :-)

* Trabalho: meu chefe já está passeando pelos EUA mas a minha batata ainda não começou a assar. Se eu sumir de novo, no entanto, vocês já sabem o motivo! Brincadeiras à parte, a coisa deve esquentar por aqui mais pro fim do mês e novembro certamente vai ser pauleira. Ainda assim, estou curtindo as responsabilidades extras.

* Música: só fui a um show desde Reading, pra ver a banda de rock progressivo Porcupine Tree, e a apresentação deles foi sensacional. Eu tinha outro show hoje, mas ele foi adiado pra janeiro, mas vou a dois outros nas próximas duas semanas: Panic! At The Disco e Zero 7. Mal posso esperar!

De resto, hoje me despeço de uma das minhas housemates (a boazinha, Cara), que volta amanhã pra Austrália, mas a menina nova já se mudou então a casa andou cheia nas duas últimas semanas. Tenho passado ainda menos tempo do que de costume em casa, então não acho que a mudança vá me afetar profundamente.

Ufa! Não sei se vocês cansaram de ler, mas eu cansei de escrever. ;-)

Wed
27
Sep '06

Reading, parte II


Mood: Empolgada
Music: Monster, The Automatic

Antes de mais nada, queria deixar oficialmente meus parabéns ao casal Schustoff-Bulkool pelo nascimento do tratadinho Theo – muitas felicidades para a família!

Voltando a Reading, pra ser se eu finalmente consigo acabar este relato interminável, no sábado nos permitimos dormir até tarde (eu estava acabada depois das gandaias de aniversário) e chegamos no evento por volta de uma da tarde. Continue lendo pra saber o que vimos…

(more…)

Mon
4
Sep '06

Festivo 2006 e Reading, parte I


Mood: Cansada mas feliz
Music: Knights of Cydonia, Muse

O Festivo 2006 (pra quem não sabe, minha maratona anual de comemorações de aniversário) foi curto mas bem representado: por conta da minha ida ao Reading Festival, a s celebrações duraram apenas dois dias, só que a freqüência foi recorde. Na primeira festa foram 42 pessoas, sem contar esta que vos escreve, e ganhei vários presentes legais, além de tomar uns drinques verdes esquisitos mas gostosos. Já na segunda noite, no grande dia em si, devem ter aparecido umas 20 pessoas – não contei porque começaram a me dar shots de tequila depois que eu já tinha tomado quatro caipirinhas, e não preciso dizer como a festa acabou. :-)

Só quem já foi a um festival do porte de Reading tem idéia da loucura e vibração do negócio. São três dias de bagunça, com centenas de artistas se apresentando e outros eventos acontecendo numa área razoavelmente grande nas redondezas da cidade que dá nome ao bagulho. Vale um parêntese explicativo: Reading é um festival mais adolescente, onde a molecada de 15-16 anos vai pra acampar, encher a cara e fugir dos pais.

(more…)

Thu
24
Aug '06

Parabéns para mim!


Mood: Aniversariante
Music: Forever Lost, The Magic Numbers

Eeeeeeee! Meu aniversário! Adoro essa época do ano, e não só por causa dos presentes. É sempre legal receber o carinho das pessoas queridas, seja via email, telefone, Orkut, sinal de fumaça, pombo-correio ou pessoalmente. E agora tenho que mudar minha idade ali na barra lateral do blog. ;-)

A primeira comemoração do min-Festivo 2006 foi sucesso de público e crítica, com 41 convidados aparecendo para me dar os parabéns e encher a cara. Também ganhei um monte de coisas legais, de livros a ingressos de teatro. Bebi mais do que de costume, mas ou os drinques estavam diluídos ou meus genes alemães resolveram funcionar pra meu benefício, e mesmo depois de quatro coquetéis e quatro shots, esta que vos escreve terminou a noite sóbria e feliz.

Ah, e a odisséia pelos ingressos pro Reading Festival acabou bem – perdi três horas da minha vida, mas conseguimos pegar os bilhetes sem precisar viajar no tal ônibus. Nunca vi coisa mais desorganizada na vida!

Agora é terminar o bolo de chocolate que eu ganhei de uma amiga do trabalho (yummy!) e me preparar pros festejos desta noite… :-)  

Mon
21
Aug '06

Quase lá


Mood: Pré-aniversário
Music: Voodoo Child, Rogue Traders

Faltam três dias pro evento do ano – meu aniversário, claro! Mas este ano, o tradicional Festivo vai ser discreto. Ao invés da já clássica semana de comemorações, farei uma baguncinha light na quarta-feira, uma bagunça um pouco mais animada na quinta (o grande dia em si) e em seguida embarco para Reading pra um fim de semana de muito rock’n'roll no maior festival de música do Reino Unido (agora que Glastonbury não está mais rolando).

O problema é que a organização lusitana do festival resolveu complicar a coisa pro meu lado. Compramos ingressos que dão direito a um ônibus de ida e volta para Reading, só que pra pegar as entradas para o evento temos que pegar o tal ônibus – que sai às sete e meia da matina na quinta. Tudo o que eu queria fazer no meu aniversário era madrugar pra pegar os tais ingressos… :-P

Com sorte, podemos chegar lá, pegar as entradas e voltar pra casa. Na pior das hipóteses, temos que ir até Reading, pegar um trem de volta e viajar de novo pra lá na sexta. Tem como ser mais português?

Numa nota mais positiva, minha maré de sorte continua e ontem ganhei um jogo de tabuleiro chamado Aqua Romana num sorteio! Como toda boa nerd que se preza, adorei o presente de aniversário adiantado. ;-)

Sat
5
Aug '06

Sorte de não-tão-principiante


Mood: Atrevida
Music: Modern World, Wolf Parade

Apesar do cansaço e do estresse das últimas semanas, meu inferno astral tem sido quase às avessas. Ando com uma sorte esses dias de dar inveja, e deveria aproveitar pra jogar na loteria.

Pra começar, recebi um telefonema da Nokia dizendo que eu havia ganho uma promoção deles, e uns dois dias depois chegou um pacote no escritório contendo uma mochila esportiva, daquelas com reservatório de água, e um fone de ouvido bluetooth pro meu celular. Mais uma prova de que vale a pena entrar nessas promoções online!

Já na semana passada, recebi um e-mail da assessoria de imprensa da Warner Music Brasil perguntando se eu não queria ir ao show da Madonna aqui em Londres. De graça. Eu, que não sou boba nem nada, aceitei depressinha. A apresentação foi na quinta, e como era de se esperar, foi um espetáculo. A mulher tá com tudo, inteiraça, e mandou ver numa performance de duas horas de encher os olhos. Destaque – como sempre – pros bailarinos dela, excepcionais. Tirei algumas fotos que vão pro Flickr mais tarde.

Aí essa semana recebo outro telefonema, desta vez da MTV daqui, dizendo que ganhei outra promoção, desta vez pra ver um showcase do Kasabian, uma banda indie de Leicester, nos estúdios da emissora em Camden, bairro no norte de Londres. Devia ter umas 150 pessoas na platéia, e eu estava na primeira fileira, dançando e cantando feito uma idiota. E ainda corro o risco de aparecer na TV, já que o show foi gravado pra um especial da MTV.

Há mais novidades, mas estas ainda não podem ser divulgadas. Paciência, jovens Padawans. ;-)

Tue
11
Jul '06

Poucas e boas


Mood: Enigmática
Music: I Write Sins Not Tragedies, Panic! At The Disco

* Estou viciada em Panic! At The Disco. O disco de estréia da banda, A Fever You Can’t Sweat Out, é contagiante. Espero que eles sejam tão bons ao vivo quanto soam, porque vou vê-los em Reading. Urru!

* A Itália ganhou a Copa do Mundo, mas foi o Zidane quem dominou as notícias graças à sua cabeçada mágica. Tenho certeza de que o Materazzi deve ter falado barbaridades pro craque francês, mas isso não justifica o que ele fez. E não é nem porque ele atrapalhou as chances da França, mas porque agora esse jogador excepcional vai ser sempre lembrado como “o sujeito que foi expulso na final de 2006 por dar uma cabeçada num oponente” – Zidane merece mais do que isso.

* E o Brasil levou pra casa pela terceira vez o troféu de Fair Play da FIFA. O que impressiona são as estatísticas do zagueiro Lúcio: ele cometeu sua primeira falta no fatídico jogo contra a França. Tenho que tirar o chapéu pra ele – foi o jogador que mais evoluiu desde a Copa de 2002.

* Amaldiçôo o momento em que comprei meu PlayStation 2. Guitar Hero é uma praga viciante que inventaram pra tomar meu tempo, e não quero saber de mais nada – até os jogos novos que comprei no eBay chegarem, isto é. ;-)

* Esqueci de divulgar as últimas do RadarPop por aqui. Pra quem não sabe, é um podcast que eu faço junto com os amigos Cris Dias e Alex Maron; finalmente tomamos vergonha na cara e o bichinho voltou a ser semanal. Ouvam lá, é legal!

* Minha lista de 101 coisas completa seis meses no sábado, e já cumpri 23 das ‘tarefas’. Se continuar nesse ritmo, vai ser barbada! Ainda assim, toda ajuda é bem-vinda, então se você quiser me ajudar a completar algum dos meus objetivos, é só entrar em contato.

Wed
28
Jun '06

A dream come true


Mood: Realizada
Music: One Caress, Depeche Mode

O último dia do Wireless Festival era também o mais esperado por mim, e só por causa de uma banda. Aliás, como meu interesse no dia era limitado, assisti a menos shows do que nas minhas outras idas ao evento.

A primeira banda do dia, OK Go, ficou famosa na internet ao lançar na rede o clipe da música A Million Ways (disponível no site do grupo), em que os quatro integrantes fazem uma coreografia louca no jardim da casa de alguém. Ao vivo, eles são divertidos e eficientes, e ao terminar seu bom show os maluquetes brindaram a platéia com uma versão de carne e osso do famoso vídeo! Muito, muito engraçado, e muito legal.

Depois disso, fizemos uma pausa nos trabalhos musicais para assistir ao jogo da Inglaterra elas oitavas-de-final da Copa do Mundo – a organização do evento colocou um megatelão numa área mais afastada do palco principal, e milhares de pessoas se espalharam pelo gramadão pra ver a partida. Que foi bem fraquinha, aliás.

Voltando à nossa programação normal, foi a vez dos Mystery Jets assumirem o palco, com seu rock quirky e eficiente. Nunca tinha ouvido nada deles e achei bem legal, embora o show não tenha sido o suficiente pra levantar a galera – talvez porque boa parte do público fosse bem mais velha do que o das noites anteriores.

A voz maravilhosa de Alison Goldfrapp, no entanto, fez até as múmias presentes balançarem o proverbial esqueleto. A cantora hipnotizou a macharada com um microvestido roxo, longas pernas e quatro dançarinas de biquini, que entravam com acessórios diferentes dependendo da música. Eu já gostava de Goldfrapp antes de vê-los ao vivo, mas eles arrasaram e fizeram o segundo melhor show do dia, perdendo apenas para os headliners.

E o que dizer sobre Depeche Mode? O veteraníssimo grupo inglês embalou os anos 80 com hinos como Strangelove e Personal Jesus, provou que seus clássicos continuam mais atuais do que nunca, e que o último álbum da banda é um retorno à boa forma do passado. Chorei ao ouvir Enjoy The Silence ao vivo – é uma da minhas músicas favoritas de todos os tempos, e graças a isso cortei um item da minha lista de “coisas pra fazer antes de morrer”. Foram noventa minutos de arrepios, cantoria fora do tom, gritos, dança e êxtase. Ah sim, e o que é a voz do Martin Gore cantando Shake The Disease? Truly memorable.

Mon
26
Jun '06

Confete e serpentina


Mood: Tranqüila
Music: Unfinished Sympathy, Massive Attack

Depois da massa de adolescentes agitados de quarta, o O2 Wireless Festival acalmou pra uma sexta-feira que acabou provando ser repleta de afagos visuais e auditivos. Vi menos bandas do que na quarta, em parte porque não tive disposição de ficar pulando de palco em palco, e também porque queria garantir um bom lugar pra ver a principal banda da noite. No fim, tudo valeu a pena.

Abrindo os trabalhos, assistimos a uma bela performance do grupo canadense Metric - a banda, que eu já adorava antes de ver ao vivo, fez um show excelente e a voz da vocalista Emily Haines é ainda melhor fora do estúdio. Era evidente que a maioria das pessoas na platéia nunca tinha ouvido falar deles, mas mesmo assim tinha gente dançando animadamente no gramado semi-vazio em frente ao palco principal.

Em seguida, vimos a enorme trupe do Gnarls Barkley lotar o palco – era um bocado de gente, entre backing vocals, quarteto de cordas e uma coleção de percussionistas. A banda fez história ao ter o primeiro single a atingir o topo das paradas depois de ser lançado como um download, e agitou a galera com hits dançantes cheios de soul. Ah, e todos no palco estavam vestindo quimonos, o que eles devem ter se arrependido de ter feito por causa do calor que estava fazendo!

Depois de uma pausa pra relaxar, bater papo e beber umas cervejas, voltei à área principal de apresentações pra conferir o rock psicodélico do The Flaming Lips, veteranos com mais de 20 anos de carreira. E eles fizeram o melhor show do dia, na mais plena acepção da palavra: o palco tinha um grupo de Papais Noéis, outro de alienígenas, quatro astronautas infláveis gigantes, diversos super-heróis, bolas coloridas, confete e serpentina. O vocalista Wayne Coyne começou a apresentação andando sobre a platéia em uma bolha de plástico transparente, e uma energia contagiante tomou conta do lugar. Já estou me programando pra vê-los novamente em novembro. :-)

Fechando o dia com chave de ouro, e o motivo original pelo qual fui ao Hyde Park na sexta, os ‘pais’ do trip-hop Massive Attack fizeram um show pra agradar ao fãs de longa data. Clássicos como Teardrop, Safe From Harm e Unfinished Sympathy embalaram os adeptos enquanto o sol se escondia. Destaque para a presença da cantora Elizabeth Fraser, a voz dos Cocteau Twins, que embalou o público com sua voz onírica e arrasou. Aliás, todos os cantores que a dupla de Bristol levou ao palco eram excepcionais. Saí do parque feliz!

Thu
22
Jun '06

Interlúdio musical


Mood: Velha
Music: Last Nite, The Strokes

O2 Wireless FestivalInterrompemos nossa programação futebolística normal para o primeiro de três informes extraordinários sobre o O2 Wireless Festival, orgia musical que acontece esta semana no Hyde Park. Ontem foi o primeiro dia do evento, que reúne artistas dos mais variados estilos em cinco dias de farra.

Cheguei ao parque cedo porque tirei meio dia de folga, e fiquei lendo e relaxando na grama enquanto via a fila para entrar crescer e crescer. Como sou adepta da tecnologia muderna, meu ingresso é um código de barras enviado em forma de mensagem de texto para o meu celular, e não pego a fila dos plebeus. Sweeeeet!

Quando meu amigo Angus chegou, entramos e fizemos um reconhecimento do terreno. Há várias opções de comida, bebida e entretenimento para o público, umas três áreas VIP diferentes e cinco arenas e palcos diferentes. Com tanta coisa acontecendo, tivemos que escolher com cuidado as bandas que realmente queríamos ver, e prosseguimos para o campo em frente ao palco principal para escolher um bom lugar.

Os trabalhos do dia foram abertos pela ‘girl band’ The Like, cuja característica mais impressionante era a empolgação da baterista. Depois de ouvir às músicas do grupo no MySpace, posso afirmar que elas soam melhor no álbum do que ao vivo. A apresentação em si nem foi ruim, mas a animação das outas duas integrantes do trio – e da platéia – era quase zero.

A apatia das meninas foi gloriosamente substituída pelas cores, sons e loucuras do grupo novaiorquino Gogol Bordello. Formada em sua maioria por imigrantes do Leste Europeu, a banda tem um estilo auto-definido como “punk cigano” e contagia desde o primeiro segundo. Eles fizeram o segundo melhor show da noite, e agora estou pensando como vou conseguir rebolar pra vê-los de novo em Reading.

Depois do divertido caos do bordel mais punk do planeta, quem subiu ao palco foram os ex-companheiros de Pete Doherty na banda The Libertines, agora atuando como Dirty Pretty Things. Ainda que eficiente, achei a apresentação deles meio burocrática, e não me empolguei muito. Tudo bem que eu não conhecia muita coisa da banda antes do show, mas não fiquei com muita vontade de conhecer mais epois de vê-los ao vivo.

Fugimos da muvuca do palco principal em direção ao Xfm Stage para assistir ao estilo particular da banda indie Guillemots, que mistura jazz, rock e pop em um pacote pra ouvir e dançar. O grupo multi-instrumental conta até com um guitarrista brasileiro e fez um show cheio de energia. Eles também vão tocar novamente em Reading, e mais uma vez eu gostaria de revê-los, mas sabe lá o que vai acontecer por lá!

Depois de uma pausa para abluções e bebidas, voltamos à área principal do evento para ver os escoceses do Belle & Sebastian em ação. Não nos arrependemos: o grupo arrebentou e fez o melhor show da noite, e me espantei ao perceber que eu conhecia a maioria das músicas apesar de não ser expert na banda. Todos os ingredientes para uma grande apresentação estavam lá: empolgação, empatia com a platéia, ótima música e uma vibe legal. Eles eu vejo de novo em Reading com certeza!

Pra fechar a noite, enfrentamos adolescentes drogados e muito empurra-empurra pra assistir ao quinteto novaiorquino The Strokes, mas felizmente o esforço valeu a pena. Apesar de mais curto do que eu esperava, o show foi vibrante, misturando “clássicos” (as aspas são pra ressaltar que a banda só existe há sete anos) e músicas novas. Os fãs de carteirinha, entre os quais eu não me incluo, pareciam satisfeitos, então quem sou eu pra reclamar!

A impressão que ficou no fim da noite é de que estou ficando velha pra essas coisas, porque não tenho mais paciência pra aturar gente pulando em cima de mim nem me empurrando pra passar onde estou por muito tempo. Ah, e porque a maioria das bandas que vi é composta por gente mais nova do que eu… ;-)

Fri
16
Jun '06

Live ao vivo


Mood: Roqueira
Music: Lakini’s Juice, Live

Eu normalmente não colocaria duas músicas da mesma banda em posts consecutivos, mas é por um bom motivo: o show do Live de quarta-feira foi sensacional, certamente um dos melhores shows da minha vida.

Antes do show, descobri que a banda não é muito conhecida aqui na Inglaterra, e parecia que a maioria dos fãs presentes no local era de outros países. Acho que isso foi bom, porque nunca fui a uma apresentação aqui em Londres com uma energia tão positiva, nem com uma platéia tão entusiasmada. O povo cantava, gritava, pulava, e os integrantes do grupo no palco refletiam a animação da galera. O vocalista Ed Kowalczyk estava falante e energético: condenou a(s) guerra(s) no Iraque, falou de paz, família e do último disco da banda, tirou a camisa, arregalou os olhos e dançou à beça.

Minha posição era estratégica: fiquei grudada na grade que fica do lado direito do palco, perto das caixas de som. Embora o posicionamento tenha causado alguma perda de audição por dois dias, eu estava a umas três fileiras do palco e podia usar o degrauzinho da grade pra ficar mais alta que os marmanjos na minha frente, o que significou uma visão quase perfeita do palco. Infelizmente, a cabeça-de-vento que vos escreve esqueceu sua máquina fotográfica no trabalho e teve que se contentar com tirar fotos pífias no celular, que obviamente ficaram uma porcaria. Mas tudo bem, o que vale é a intenção. :-)

O setlist tinha principalmente clássicos dos álbuns mais antigos da banda, e ouvir Lightning Crashes, Lakini’s Juice, The Dolphin’s Cry e I Alone na seqüência foi de lavar a alma. Só fiquei chateada por não ouvir Pain Lives On The Riverside ao vivo, mas o show foi tão legal que, no fim das contas, nem liguei muito.

A catarse foi tão boa que só lembrei do futebol quando meu amigo Angus, que foi comigo, perguntou se eu sabia o placar de Alemanha x Polônia. Não perdi muita coisa, aliás. ;-)

Wed
14
Jun '06

É, né?


Mood: Otimista
Music: Lightning Crashes, Live

Brazil 1 x 0 Croácia. O placar reflete mais a boa performance defensiva da Croácia – e algumas boas defesas do Dida – do que incompetência por parte da equipe brasileira. Não dá pra discutir que o Ronaldo não entrou em campo e passou todo o tempo em que ‘jogou’ com cara de que preferia estar em qualquer outro lugar. Também não dá pra negar que a atuação do Juan foi periclitante. Mas tirando algumas escorregadelas esperadas numa partida de estréia em Copa do Mundo, o resto do time jogou direito, e o mérito dos croatas em anular boa parte das jogadas do escrete canarinho não pode ser ignorado.

O melhor jogador do Brasil em campo foi sem dúvida nenhuma Kaká, que correu, atacou, defendeu e ainda marcou um golaço. Seguro e beeeeem menos marcado do que Ronaldinho, ele teve espaço pra armar jogadas, ainda que tenha tentado chutes de fora da área demais pro meu gosto. Mais uma vez, ponto para a Croácia – as tentativas à distância só aconteceram porque a defesa deles estava bem fechadinha, e os brasileiros não conseguiram penetrá-la eficientemente.

Tá, não foi o show de bola que todo mundo esperava, mas e daí? Ganhamos os três pontos contra um adversário eficiente e perigoso, e é isso que importa de verdade. Daqui pra frente a tendência é melhorar. Posso estar sendo otimista e até ingênua, mas não lembro de nenhuma Copa em que o Brasil começou arrasando e chegou a algum lugar…

Mudando de assunto, estou animadíssima porque vou ver esta noite o show de uma banda que adoro e nunca tive a oportunidade de ver ao vivo: o quarteto americano Live. A melhor notícia, na verdade, foi que o set é composto principalmente pelos antigos sucessos dos primeiros discos do grupo, os melhores. Mal posso esperar! :-)   

Thu
11
May '06

In Ingrish!


Mood: Desocupada
Music: Love Thieves, Depeche Mode

(Fiquei com preguiça de traduzir tudo, e como os títulos das músicas são em inglês, resolvi deixar no original mesmo. Foi mal aê.)

Describe yourself using one band and song titles from that band. Choose a band/artist and answer only in song titles by that band.

My band is Depeche Mode.

Are you male or female: People Are People
Describe yourself: Somebody
How do some people feel about you: Photographic
How do you feel about yourself: Happiest Girl
Describe your ex girlfriend/boyfriend: Ice Machine
Describe your (future!) girlfriend/boyfriend: Sweetest Perfection
Describe where you want to be: Home
Describe what you want to be: Get The Balance Right
Describe how you live: Just Can’t Get Enough
Describe how you love: Nothing To Fear
Share a few words of wisdom: Enjoy The Silence