Noites na Cidade: Divagações de uma jornalista brasileira em Londres.

Divagações e devaneios de uma carioca em Avalon

Fri
31
Oct '03

Dia das Bruxas


Mood: Halloween!
Music: In The Air Tonight, Genesis

Falando um pouco de gandaia agora, é impressionante a variedade de coisas para se fazer que existe nesta cidade. Desde a boate aqui dentro do campus (que não é grande e nem fica cheia, mas dá pro gasto e fica a três minutos de caminhada) até os lugares mais famosos do West End e Camden Town, o que não falta é opção pra todos os gostos.

Hoje, 31 de outubro, é Dia das Bruxas – para quem acredita, Beltane no hemisfério sul, e Samhaim por aqui. Aqui, existe toda aquela tradição que a gente vê nos filmes: crianças caminhando fantasiadas, pedindo doces ou travessuras para os vizinhos, e muitas, muitas festas de Halloween.

Aqui no alojamento mesmo, por exemplo, vai ter festa em dois dos flats. Area 51, nossa boate local, também vai ter sua celebração. Eu, que não sou boba nem nada, vou é pro centro de Londres, onde o agito mora de fato. Aliás, tenho que ir me arrumar. ;-)

Bom fim de semana para vocês, caso eu suma de novo! :-)

Thu
30
Oct '03

Eu e Rod


A pedidos, vamos elaborar os assuntos citados no último post. Pra começar com chave de ouro, vou contar o “causo” da minha entrevista com o Rod Stewart.

Estava eu, na terça-feira à noite, jantando em um simpático restaurante chinês em Leicester Square, quando meu celular toca. Era a assessora de imprensa da gravadora BMG, me ligando do Brasil pra saber se eu não queria entrevistar o cantor na sexta-feira, porque eles estavam com um horário vago e ela lembrou de mim.

Nem precisa perguntar se eu aceitei, né? ;-)

Passei o resto da semana pesquisando sobre a vida do homem e tentando fazer contatos com possíveis publicações interessadas em comprar a matéria. Meus amigos da universidade me ajudaram a pensar nas perguntas, o que foi ótimo!

Na sexta, saí da faculdade correndo para o Dorchester Hotel, um cinco estrelas monumental em frente ao Hyde Park. Claro que fui arrumadinha, pra não fazer feio.

Chegando lá, comecei a bater papo com outro jornalista que estava esperando. Qual não foi minha surpresa ao descobrir que se tratava de Fernando Duarte, correspondente do jornal O Globo em Londres – e que eu conhecia há anos pelo telefone, mas que nunca tinha visto pessoalmente! Ele trabalhava na seção de esportes na época, e eu, na assessoria da Confederação Brasileira de Basquete. Mundo minúsculo!

Depois de muito esperar (a entrevista atrasou cerca de duas horas), acabei encontrando com o Rod Stewart junto com o Fernando, porque éramos os últimos e eles queriam apressar as coisas. Sem problemas, vimos juntos o que iríamos perguntar e entramos.

Minha primeira impressão foi: UAU! O cara tem quase 60 anos de idade, mas você não dá nem 50, de tão inteiro que o sujeito está. Muito elegante e charmoso, ele beijou minha mão, cumprimentou o Fernando, e começamos o papo, que acabou sendo bem informal e divertido.

Conversamos por cerca de meia hora, e eu, que não ligava pra ele, acabei virando fã. :-)

Wed
29
Oct '03

Resumão


Mood: Introspectiva
Music: Karmacoma, Massive Attack

Antes de mais nada, queria pedir desculpas pela falta de atualizações, mas ando numa correria danada!

Resumão da última semana:
- Comecei a trabalhar
- Fui no mercado de Camden Town, muito legal!
- Assisti a dois filmes no Festival de Cinema de Londres
- Fui com amigos na boate da universidade
- Bebi mais do que devia
- Meu pai adiou a viagem dele pra cá
- Passei vergonha
- Entrevistei o Rod Stewart

Depois elaboro, agora tenho que correr pra aula! :-)

Mon
20
Oct '03

Semana boa


Mood: Quase adaptada
Music: Hide Your Love Away, Eddie Vedder

Acabei não indo ver o David Blaine, que está vivo e bem. Mesmo assim, meu final de semana foi bastante cheio!

Na sexta, descobri que um amigo meu dos EUA estava aqui a passeio, e fui encontrar com ele para umas biritas pré-noitada, já que tinha combinado de ir a uma boate em Camden com outra galera.

O pub onde fomos, aliás, é supergostosinho – chama-se Bloomsbury, e fica pertinho da estação de Tottenham Court Road do metrô. A decoração do segundo andar (que eles aqui chamam de first floor – o primeiro é ground floor) é o máximo: as paredes são forradas de um tecido vermelho, os sofás são de veludo vinho e as cortinas idem. Parece uma daquelas casas vitorianas que você vê em filmes do Drácula! :-)

De lá, parti para a Electric Ballroom, uma boate gigantesca em Camden Town onde se respira rock. Na enorme pista do andar térreo, que mais parece uma pista de patinação de tão grande, o DJ arrasava com industrial e um pouquinho de techno à la Mortal Kombat no fim; já a pista menor do segundo andar tocava nu metal e rock da década de 90. Fiquei triste por não termos um lugar assim no Rio – certamente seria meu point. Além de funcionar como boate, nas tardes de sábado o lugar hospeda uma feira de discos, posters e memorabilia em geral, tudo de rock.

No sábado, passei algumas horas preparando um seminário (que apresentei hoje), e depois saí novamente com meus amiguinhos americanos, dessa vez para jantar num restaurante belga delicioso. De lá, emendamos na festa de despedida de um de meus colegas da universidade, que voltou para a Índia no domingo porque recebeu uma ótima proposta de emprego por lá. A bagunça se deu numa lotada boate em Picadilly Circus, chamada On Anon. Apesar do excesso de gente, a noite foi divertidíssima – boa companhia realmente faz a diferença.

E domingo, pra encerrar o fim de semana com chave de ouro, fui ao cinema assistir à dobradinha Procurando Nemo e Kill Bill Vol. 1, ambos excelentes. Pra melhorar ainda mais, meu pai me deu a notícia de que vem me visitar na semana que vem! Se toda semana começasse assim… ;-)

Thu
16
Oct '03

David Blaine


Mood: Atolada
Music: By The Way, Red Hot Chilli Peppers

Este domingo, o David Blaine sai de seu auto-exílio de 44 dias numa caixa de vidro – e eu ainda não fui jogar salsichas nele!

(Pausa para contextualização: Pra quem não sabe, David Blaine é um ilusionista americano – nos moldes do David Copperfield – que ficou famoso por andar nas ruas de Nova York fazendo truques, e que recentemente ficou dois dias de pé numa pilastra de cerca de 40 metros de altura na mesma cidade. Fim da pausa.)

Os londrinos não gostaram da idéia de ter um americano chamando mais atenção do que a Torre de Londres, perto de onde a tal caixa está pendurada numa grua. Por isso, o esporte nacional dos últimos 40 dias era atormentar o coitado, jogando comida (porque ele está em jejum esse tempo todo, teoricamente) e até mesmo ameaçando derrubar a caixa (mas o maluco que fez isso foi preso).

Já AS londrinas gostaram da idéia, e seu passatempo favorito tornou-se mostrar suas partes pudicas para o atordoado ianque. Parece que não teve muito efeito, no entanto, já que Blaine delcarou em uma entrevista que perdeu completamente o apetite sexual depois de uma semana sem comer.

Fato é que o ilusionista conseguiu o que queria: ser assunto de todos os jornais e rodas de conversa da cidade, competindo diretamente com a Copa do Mundo de Rugby (ao lado do futebol, esporte mais amado pelos ingleses) e os mexericos do casal Beckham. ;-)

Tue
14
Oct '03

Sobre Londres


Mood: Estudiosa
Music: Bring Me The Disco King, David Bowie

Atendendo a pedidos, vou falar um pouco sobre mim, por que estou em Londres e como são as coisas por aqui. Pule este post se você já souber de tudo isso. ;-)

Há muito tempo eu convivia com uma grande vontade de morar no exterior, mais especificamente na Europa. Quando terminei a faculdade, coloquei na cabeça que faria isso – mas meus planos iniciais, que eram de ir pra Alemanha trabalhar, não deram certo. Adiei por mais alguns anos o sonho de vir pro Velho Continente, mas este ano finalmente consegui, graças à ajuda da minha família.

Estou em Londres há pouco mais de um mês, cursando um mestrado em Jornalismo Internacional na University of Westminster, uma das melhores do país na área de mídia e comunicação. Moro no alojamento da universidade, em Harrow, e divido um flat com mais cinco pessoas (três rapazes – dois ingleses e um chinês – e duas moças – uma inglesa e uma alemã). Tenho meu próprio banheiro, uma raridade em acomodações desse tipo! :-)

Já conhecia Londres quando cheguei aqui, por conta de uma viagem a turismo há vários anos atrás. Optei por morar aqui por causa do idioma, mas já gostava da cidade há tempos. Ela tem seus defeitos, claro, como qualquer grande cidade: é suja, faz frio à beça (por causa do vento), tem muita gente mal-educada, tudo fecha cedo, e as coisas não funcionam tão bem quanto se crê – a pontualidade britânica não é tão pontual assim.

Mas Londres também tem diversas qualidades que a tornam única: uma profusão de áreas verdes, parques e jardins públicos de dar gosto; muita gente simpática, de todos os cantos do planeta; uma variedade enorme de estilos em bares, boates e restaurantes; alguns dos melhores museus do mundo, de graça; e a moeda mais valorizada do planeta (uma faca de dois gumes, porque o custo de vida aqui também é elevadíssimo).

O que eu acho? Adoro Londres, e a cada novidade que descubro, mais fico encantada pela cidade. Parece que ela foi feita pensando nas pessoas que não nasceram e cresceram por aqui, de tão fácil que é chegar na maioria dos lugares. Mas morro de saudades do Rio, do mar, dos morros cobertos por florestas, da bagunça tão familiar… Não sinto falta da violência, nem do calor de matar, mas daria um braço pra poder passar o Natal em casa, com a família, e depois receber os amigos no tradicional after, que não vai acontecer este ano.

Resumindo tudo: morar fora é uma experiência fantástica, especialmente se você vem pra estudar como eu vim. O intercâmbio cultural é constante e surpreendente, mas tem horas que tudo parece sem graça, porque as pessoas que você ama de verdade estão todas longe de você. Faço amizades rapidamente, o que ajuda um bocadinho. Mas uma coisa não substitui a outra…

Mon
13
Oct '03

Alma do negócio


Já que o blog está sendo supervisitado graças à sua inclusão no Hall da Fama, vou aproveitar para fazer uma autopromoção descarada: sou uma das colunistas do site Sobrecarga, uma revista online sobre cultura pop em geral. Além da minha coluna, adequadamente denominada London Bridge, o site traz notícias, promoções e diversas outras colunas interessantes, escritas por gente que entende do assunto. Logo, se vocês tiverem um tempinho extra, dêem uma passada lá clicando aqui. ;-)

Mon
13
Oct '03

Shakespeare in loco


Mood: Fascinada
Music: White Flag, Dido

Passei por uma experiência realmente única ontem: graças a um convite de última hora do novo amigo Leo, fui assistir à última apresentação da comédia Twelfth Night no Shakespeare’s Globe Theatre. Pra quem não sabe, o Globe é uma reconstrução do teatro original onde as peças do dramaturgo inglês eram encenadas há mais de 400 anos atrás. Naquele tempo, mulheres não podiam atuar, então os papéis femininos também eram interpretados por homens. E foi exatamente isso que vi ontem, na encenação da Globe Theatre Company.

Os ingressos mais baratos são no chamado Yard, o espaço central do teatro, que é a céu aberto. O único problema é que você tem que ficar em pé durante as três horas de peça, porque não se pode sentar (motivos de segurança, para pessoas não serem pisoteadas se houver um incêndio, por exemplo). Só que a peça era tão boa (e a companhia, tão fantástica) que, mesmo estando de salto alto, esse pequeno detalhe não me incomodou.

Já li muita coisa de Shakespeare, mas nada se compara a ver a peça encenada na sua frente por atores de carne e osso. O simbolismo se torna ainda mais espetacular se, adicionado ao simples fato de assistir a uma obra do autor ao vivo, você o faz nas mesmas condições que o povo fazia no século XVI. Até os instrumentos que os músicos utilizavam eram réplicas (acho, podem até ser de verdade) dos instumentos musicais da época. E, obviamente, o sotaque britânico faz sim toda a diferença nesse caso.

Conclusão: amei! Se algum de vocês vier a Londres, recomendo o programa – passou no meu crivo de virginiana extremamente crítica com louvor!

Fri
10
Oct '03

Picardias estudantis


Mood: Pré-night
Music: Nancy Boy, Placebo

A desvantagem de morar em um alojamento universitário é ter que conviver com os adolescentes retardados que acham divertido acionar o alarme contra incêndio de propósito. Nesta madrugada, por volta das duas e meia, o alarme disparou e só foi cessar cerca de 45 minutos depois. Como não era a primeira (nem segunda, nem terceira…) vez que a porcaria do alarme foi acionada de sacanagem, teve gente que demorou a acreditar que podia ser alguma coisa. Depois de uns vinte minutos, no entanto, o pátio em frente ao meu prédio estava lotado de estudantes remelentos – uns sacaneavam mais um alarme falso, outros tentavam dormir em meio à bagunça e ao frio (cena hilária, a propósito).

Resultado final: depois de encaminharmos uma reclamação formal à administração dos alojamentos, eles disseram que vão “dar um aviso final” aos estudantes envolvidos e depois, passarão a multar os “brincalhões”. Minha opinião? Não é só no Brasil que as coisas acabam em pizza…

Mudando para assuntos mais agradáveis, hoje é dia de noitada. Voltarei à primeira boate que conheci em Londres, a gótica The Water Rats, para mais uma edição da festa temática B-Movie. Boa companhia, boa música e chocolates de graça formam uma combinação quase irresistível para esta que vos escreve! :-)

Thu
9
Oct '03

Capítulo final


Mood: Contando os minutos!
Music: Trilha sonora de As Duas Torres

Eu estava resistindo à tentação de assistir ao trailer de O Retorno do Rei, terceira parte da trilogia O Senhor dos Anéis, no computador, especialmente porque um amigo meu daqui disse que viu o trailer no cinema (muito melhor!). Mas hoje cedi às pressões da fã de Tolkien dentro de mim e baixei o dito cujo. Pra quê? Agora vou ficar com essa crise de ansiedade até dezembro, quando a porcaria do filme estréia!

Algumas pessoas já me disseram que não gostaram das mudanças que o Peter Jackson promoveu neste terceiro capítulo da trama. Como é que dá pra não gostar de uma coisa que você ainda não viu como ficou? Pessoalmente, mal posso esperar para ver – o terceiro livro sempre foi o meu preferido, mesmo sendo o mais “corrido”, por assim dizer. Só de imaginar a batalha dos Campos de Pellenor já fico toda arrepiada. E, manteiga derretida que sou, chorei ao ver o soldado Dernhelm dizendo “No matter what happens, stay with me!” pro Merry… ;-)

Meu único consolo é que O Retorno do Rei estréia por aqui mais cedo! Voltamos à contagem regressiva! Ah, e se você quiser assistir ao excepcional trailer, baixe o famigerado no site oficial do filme, e não se contente com nenhuma versão além da grande, porque vale a pena.

Tue
7
Oct '03

De novo!


Opa, e agora me colocaram no tal Hall da Fama do Weblogger. Não sei se mereço tal honraria, mas desde já ofereço minhas boas-vindas aos incautos viajantes que aqui pousaram graças àquele fortuito link na primeira página de meu hospedeiro. :-)

Mon
6
Oct '03

Ralação total


Mood: Tranquila…
Music: Going Under, Evanescence

E quem disse que eu tenho tempo de blogar por aqui? Seja pelos compromissos academicos (que sao varios), seja por me dar ao luxo de dedicar-me a um pouco de lazer nos fins de semana, este espaco acabou ficando um pouco menos frequentado por mim. Nao temam, caros (ainda que poucos) leitores: garanto que jamais abandonarei o Noites, embora os problemas com a minha Internet e os compromissos tenham relegado o blog para segundo plano.

Resumo das novidades da semana:
* Fui ao cinema mais uma vez, desta vez para assistir a Matchstick Men, filme que, apesar de dirigido por Ridley Scott, nao tem muito a ver com suas obras anteriores. Mesmo assim, Nicholas Cage me surpreendeu (e olha que eu nao gosto dele) com sua interpretacao de um con artist obsessivo-compulsivo – espero que meu irmao veja logo o filme, pra me dizer se a atuacao convence um profissional! ;-)

* Sexta, participei de um open house oferecido por colegas de faculdade, que acabou se tornando uma animada festa – com direito a danca, roda de violao e muita, muita bebida. De la, ainda fui (com duas amigas) para uma boate em Covent Garden chamada Gardening Club, onde estava acontecendo uma festa escandinava (que, alias, tinha de tudo, desde os esperados noruegueses e suecos ate australianos e franceses).

* Tudo corre como planejado na universidade, e volume de material a ser assimilado so cresce. Mas acho que estou me adaptando bem ao meu retorno a vida academica, sem grandes traumas.

* Hoje comecam as exibicoes para a imprensa de filmes do London Film Festival, equivalente londrino do Festival do Rio (mais de 300 filmes de 45 paises diferentes). Como pretendo emplacar algumas materias sobre o festival ai no Brasil, vou garantir minha presenca em todos os eventos que puder, especialmente nas entrevistas com os convidados especiais do LFF.

Por hoje e so, p-p-p-p-p-pessoal! Quando der, apareco por aqui novamente. :-)